terça-feira, 16 de junho de 2015

É O QUE SEMPRE DIGO...

Redação avalia capacidade de reflexão

Da Folha de S. Paulo
 Imprimir Comunicar erro
A prova de redação é considerada por muitos professores de cursinho a maneira mais eficiente de avaliação dos candidatos. As habilidades necessárias para apresentar um bom texto são, de fato, diversas. Capacidade de argumentação, uso da norma culta da língua portuguesa e adequação à estrutura exigida são apenas algumas delas.

Para a vice-diretora-executiva da Fuvest (Fundação Universitária para o Vestibular), Maria Thereza Fraga Rocco, não se exige um texto impecável do aluno, mas, sim, uma redação coerente e original. "Há graus de originalidade. Não se espera a originalidade de um escritor maduro. O fato de o candidato ter 18 anos não o impede de pensar e se expressar com suas próprias palavras, principalmente porque, no caso da Fuvest, já houve uma pré-seleção na primeira fase", diz Maria Thereza.

O professor de redação do cursinho da Poli, Marcelo Donatti, aposta na sólida capacidade de reflexão dos alunos como melhor forma de preparação: "Uma vida cultural intensa é muito importante". Para isso, o professor sugere leituras diversas e organiza sessões em que os estudantes assistem a clássicos do cinema.

Para o apresentador de TV e colunista da Folha Pasquale Cipro Neto, o aluno deve ficar atento também à decodificação de linguagens como letras de música, poesia, charge e tiras de jornal. "A imprensa é a grande referência, pois é muito difícil apresentar algo que não se reflita nela", afirma Pasquale Cipro Neto.

Filosofia
Vários professores de redação falam da importância das aulas de filosofia no ensino médio justamente para auxiliar nessa capacidade de reflexão. Para a professora do Intergraus Eliete Bindi, os alunos têm preguiça de pensar e, muitas vezes, nem mesmo consideram o interlocutor.

Apesar da importância no vestibular, parte dos alunos não se preocupa muito com a aula de redação. "Se for preciso, ele sacrifica a aula para não perder o fio da meada em outra disciplina", diz Odilon Soares Leme, professor de redação do Anglo. Para o professor, a redação não é uma área do conhecimento com limites bem definidos: "Na verdade, é uma grande habilidade, cuja percepção de melhora por parte do aluno não é tão clara".

Da Folha de S. Paulo

segunda-feira, 15 de junho de 2015

TEXTO SUPERFICIAL!

Reflexão superficial compromete texto

Thaís Nicoleti de Camargo*

Especial para a Folha de S. Paulo

 Imprimir Comunicar erro
A dissertação é um texto reflexivo, cuja estrutura se presta por natureza à expressão da opinião. Mas nem por isso o candidato deve posicionar-se de modo pessoal. Ao contrário disso, a impessoalidade é apreciada, pois o encadeamento lógico das idéias é que deve conduzir o leitor à conclusão pretendida. Assim, melhor seria omitir a expressão "creio que".

Na introdução, constatou-se que todos sofremos influência dos que nos cercam, o que está implícito no tema dado. Perdeu-se a oportunidade de mostrar um ponto de vista crítico que conduzisse o raciocínio.
O uso de palavras como "começando" e "terminando" denuncia certa dificuldade de estabelecer a coesão entre as partes do texto.

A desvalorização dos professores na sociedade é uma realidade, mas é perigoso afirmar que "são incapazes de nos transmitir muitos conhecimentos". As generalizações fragilizam a argumentação.
A expressão "mal treinados" poderia ser substituída por "mal preparados", já que a atividade de um professor pressupõe formação, e não mero treinamento para uma função.

A influência dos pais não foi analisada. Que valores transmitiram aos jovens de hoje? Considerar os políticos "antimodelos" faz pressupor a existência de um modelo. É temerário o raciocínio de que se pode aprender o certo através do errado -no limite, uma contradição. Faltou assumir uma posição diante do problema.

Thaís Nicoleti de Camargo*

Especial para a Folha de S. Paulo

segunda-feira, 18 de maio de 2015

ALUNO SEM TERCEIRO ANO? NÃO USA ENEM...

18/05/2015 20h29 - Atualizado em 18/05/2015 20h50

Aluno que ainda não faz o 3º ano não poderá usar Enem como vestibular

Edital do Enem 2015 incluiu nova regra sobre o acesso ao ensino superior.
Alunos menores de 18 anos recorrem à Justiça para garantir vaga.

Do G1, em São Paulo
Candidatos da 2015 do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) menores de idade, e que ainda não fizeram nem fazem o terceiro ano do ensino médio, estão proibidos de usar a nota do Enem para acessar o ensino superior sem passar pelo terceiro ano regular. Uma nova regra no edital divulgado nesta segunda-feira (18) explica que "o participante menor de 18 anos no primeiro dia de realização do Exame e que concluirá o ensino médio após 2015 não poderá utilizar os seus resultados individuais no Enem" em dois casos previstos no edital para maiores de idade: usar o Enem para pegar a certificação de conclusão do ensino médio e usar o Enem como mecanismo de acesso à educação superior em processos de seleção.
O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) também incluiu, no edital, a possibilidade de "convidar" os participantes menores de 18 anos e que ainda não chegaram ao último ano do ensino médio "para aplicação do Enem Digital", ideia já defendida no início do ano pelo ex-ministro da Educação, Cid Gomes, e que o atual ministro, Renato Janine Ribeiro, já afirmou que continua em fase de estudos.
A regra cita dois artigos da Lei de Diretrizes e Bases da educação (LDB), publicada em 1996. O primeiro artigo (38º) diz que os exames supletivos "no nível de conclusão do ensino médio" é destinado "para os maiores de 18 anos".
O segundo (44º) afirma que a educação superior em cursos de graduação são abertos a candidatos "que tenham concluído o ensino médio ou equivalente e tenham sido classificados em processo seletivo".
Segundo o edital, então, um estudante menor de 18 anos, que não vá concluir o terceiro ano do ensino médio em 2015 não poderá se matricular em um curso de graduação, mesmo que seja aprovado, por causa de sua nota do Enem, em um vestibular ou processo seletivo, como o Sistema de Seleção Unificada (Sisu).
Justiça é alternativa
Atualmente, estudantes já têm dificuldades para se matricular em situações como essas. Nesse caso, muitas vezes a decisão vai parar na Justiça. Foi o caso do estudante José Victor Menezes Teles, de Itabaiana (SE). Ele fez o Enem 2014 aos 14 anos, quando ainda estava no primeiro ano do ensino médio, e conseguiu uma nota suficiente para conquistar uma vaga no curso de medicina na Universidade Federal de Sergipe (UFS) pelo Sisu.

Como pelo Enem o candidato só pode receber a certificação do ensino médio se tiver mais de 18 anos e estiver fora do ensino médio regular, sem tê-lo concluído, há pelo menos dois anos, José Victor não pode usar a mesma nota para conseguir o diploma. Porém, as secretarias estaduais de Educação também têm autoridade para conceder o diploma do ensino médio por meio de exames supletivos.
Então, a família do adolescente entrou na Justiça, e o juiz autorizou o garoto a fazer a prova. Com o diploma nas mãos, ele conseguiu fazer a matrícula na UFS e hoje é o calouro mais novo da turma.
José Victor posa com aprovados em medicina na Universidade Federal de Sergipe (Foto: Reprodução/TV Sergipe)José Victor posa com aprovados em medicina na UFS (Foto: Reprodução/TV Sergipe)
Mudanças no Enem
Nesta edição, o Enem sofreu diversas modificações, principalmente em relação ao valor da taxa de inscrição, e a medidas de segurança que alteraram o horário das provas.

Veja abaixo os destaques:

DATA DAS INSCRIÇÕES
As inscrições ocorrem entre as 10h de 25 de maio e as 23h59 de 5 de junho. Para quem não conseguir isenção, a inscrição só será "confirmada" após o pagamento da taxa de R$ 63 até as 21h59 do dia 10 de junho.

TAXA DE INSCRIÇÃO
Sofreu aumento pela primeira vez em mais de dez anos. Até 2014, o valor era R$ 35. Agora, passa a ser de R$ 63.

ISENTOS DE TAXA
Estudantes da rede pública no último ano do ensino médio estão automaticamente isentos. Além deles, podem obter isenção candidatos que comprovarem carência, segundo as regras do edital.

Segundo o edital, a solicitação de isenção do pagamento da taxa de inscrição somente poderá ser realizada no sistema de inscrição por meio da declaração de carência socioeconômica e durante o período de inscrição.
Os demais candidatos, mesmo que tenham feito ou estejam fazendo o ensino médio integralmente na rede pública, precisarão pagar a taxa. Segundo o ministro, cerca de 30% das provas impressas acabam sem uso por causa das abstenções. Para tentar diminuir as faltas, o MEC afirmou que estudantes liberados do pagamento que não forem aos dois dias de provas vão perder o direito o benefício na próxima edição.
DURAÇÃO DAS PROVAS
No primeiro dia, ciências humanas e ciências da natureza terão 4 horas e meia de duração. No segundo dia, linguagens, matemática e redação terão 5 horas e meia de duração.

HORÁRIOS DAS PROVAS
Portões serão fechados às 13h (horário oficial de Brasília). Mas, dessa vez, as provas só começam 30 minutos depois do fechamento dos portões, ou seja, às 13h30, no horário de Brasília.

SABATISTAS
Os sabatistas no Acre, Amazonas, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rondônia e Roraima poderão fazer as provas do sábado às 19h do horário local. Nos demais estados, a prova do primeiro dia para os sabatistas começa às 19h do horário de Brasília.

ATENDIMENTO ESPECIALIZADO E ESPECÍFICO
Além das necessidades especiais e atendimentos específicos já contemplados nas edições anteriores (como estudantes cegos ou com baixa visão, surdos, com deficiência física, gestantes e lactantes), o Enem também terá atendimento especializado para quem tem visão monocular e discalculia.

CANDIDATOS E CANDIDATAS TRANS
Pela segunda vez consecutiva, o MEC aceitará que os estudantes travestis e transexuais usem o nome social durante a prova. Para isso, o estudante precisa enviar a cópia do documento de identidade e preencher um formulário específico, incluindo uma foto recente, no sistema de inscrição. O prazo para o envio desses dados acontece entre 15 e 26 de junho.

CARTÃO DE INSCRIÇÃO
Deixará de ser impresso pelo MEC e enviado pelos Correios. Agora, terá que ser baixado ou consultado diretamente no site do Enem, opção que já existia no passado. O documento serve para orientação e não precisa ser apresentado no exame.

MEDIDAS DE SEGURANÇA
Não será possível usar o mesmo e-mail para fazer mais de uma inscrição. Além disso, todos os candidatos deverão informar número de telefone (celular ou fixo) válido. Eles também terão que criar uma pergunta e resposta de segurança no login.

O detector de metal será novamente aplicado nos locais de prova. Nos dias de realização do Exame, segundo o edital, "o participante poderá ser submetido à revista eletrônica nos locais de provas, a qualquer momento, por meio do uso de detector de metais".

TOTAL DE PARTICIPANTES
Estimativa de mais de 9 milhões de inscritos. No ano passado foram 8,7 milhões, dos quais 6,2 milhões de fato compareceram. O MEC estima que neste ano 850 mil pessoas trabalhem na aplicação da prova, envolvendo quem atua nos locais de prova e quem distribui as provas: Exército, Marinha, Aeronáutica e os funcionários dos Correios.

Nossa meta principal é fazer o Enem, não fazer economia. Mas, se for possível, vamos fazer economia."
Janine Ribeiro,
ministro da Educação
Mudanças e economia
O MEC busca economia de até 20% no custo do Enem 2015. O valor alcançado pode ser de ao menos R$ 90 milhões com o aumento da taxa de inscrições, medidas contra faltas e mudança no envio do cartão de inscrição.

"Nossa meta principal é fazer o Enem, não fazer economia. Mas, se for possível, vamos fazer economia", disse Ribeiro. A estimativa é que o custo médio da aplicação da prova por estudante seja de R$ 52.

O ministro justificou o reajuste da taxa após 10 anos. "Tudo subiu na sociedade e esse valor está o mesmo desde muito tempo", disse Ribeiro. Ele afirmou que o reajuste considerou a variação inflacionária no período.

Haverá economia também com o envio dos cartões. De acordo com o ministro, serão poupados R$ 20 milhões apenas com o envio virtual da confirmação, segundo Ribeiro. O presidente do Inep, Francisco Soares, esclareceu que o cartão de inscrição terá que ser baixado pelo estudante no site do Enem. O documento serve para consulta e não precisa ser apresentado no local do exame.
Punição para faltas no Enem
Outra medida que trará redução de custos será o corte da isenção para alunos que forem liberados da taxa e faltarem ao exame deste ano. Quem faltar em 2015 terá obrigatoriamente que pagar a inscrição em 2016.

"Uma pessoa não pode ter isenção graças a recursos que a sociedade está pagando, e jogar isso fora. Há uma responsabilidade moral que é preciso assumir. E no escopo educacional, a ética é fundamental. Educação é também ter responsabilidade com os próprios atos", disse Janine Ribeiro.

Sessenta e cinco por cento dos faltosos do Enem de 2014 eram alunos isentos, segundo o secretário executivo do MEC, Luiz Claudio Costa.
A estimativa é que quase R$ 60 milhões serão poupados com o pagamento de inscrições por alunos que antes estavam insentos.
Justificativa das faltas
Sobre os estudantes isentos que não compareceram à prova, Luiz Cláudio afirmou que o MEC ainda vai definir as regras para justificar a ausência.

"Não posso dar resposta agora. No exemplo do atraso no transporte coletivo, como provar isso? A pessoa pode ser penalizada, mas precisamos ter certeza disso para não virar a justificativa padrão, como aquelas pessoas que ficam doentes e não têm atestado."

segunda-feira, 11 de maio de 2015

CORREÇÃO DA REDAÇÃO DO ENEM


Candidatos do Enem 2014 já podem ter acesso ao espelho das redações
5

Do UOL, em São Paulo

 Ouvir texto

0:00
 Imprimir Comunicar erro

Os participantes do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) 2014 já podem acessar o espelho da correção da redação. Com isso, os estudantes podem saber qual foi o resultado em cada uma das cinco competências avaliadas e comparar seu desempenho com os demais.
Para acessar o espelho, é preciso entrar na página do Enem e inserir a senha e o número do CPF.
O tema da prova de redação do ano passado foi "Publicidade infantil em questão no Brasil". Ao todo, foram corrigidos 6.193.565 textos. Desses, 250 tiveram nota mil. Em branco, foram entregues 280.903 provas. Outros 248.471 textos foram anulados e, destes, a maioria (217.339) apresentou fuga ao tema.
As redações foram avaliadas por dois corretores independentes, que atribuíram uma nota de zero a 200 pontos para cada competência. Uma terceira correção foi feita em caso de discrepância maior do que 100 pontos na soma total das competências ou maior do que 80 pontos em uma ou mais competências.

Persistindo a discrepância, o texto foi encaminhado para uma banca especial, formada por três membros, que atribuiu a nota final.

No Enem 2014, foram encaminhadas 2.695.949 redações para um terceiro corretor. A banca de especialistas avaliou 283.746 textos.

domingo, 15 de março de 2015

PERSISTIR, SEMPRE!

14/01/2015 19h53 - Atualizado em 14/01/2015 20h20
Jovem nota mil na redação do Enem tenta há 4 anos entrar em medicina
'Tem que ter autoconfiança', aconselha Lucas Santos Barbosa, de 20 anos. Antes da nota máxima, estudante havia sido reprovado em 10 vestibulares.

Do G1 AL

Estudante prestou 11 vestibulares até conseguir nota máxima na redação
(Foto: Larissa Vasconcelos/G1)

Após prestar o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) pela quarta vez, o estudante de Maceió Lucas Santos Barbosa, 20, resolveu se preparar intensamente para a redação e conseguiu ser um dos 250 candidatos que atingiu a nota máxima de 1.000 pontos. O estudante afirma que conhecer bem as exigências do Enem, ter autoconfiança e escrever bastante foram os diferenciais para atingir a nota máxima.
"Tem que ter autoconfiança. No ano passado, eu coloquei dentro de mim que iria passar e estou esperando ser aprovado na Ufal [Universidade Federal de Alagoas]", afirmou o estudante, que foi reprovado em 10 vestibulares em busca do sonho de cursar medicina até conseguir nota máxima este ano.
Barbosa conta que ler, escrever muito e estudar sobre diversos temas o ajudaram a progredir nas notas dos exames. Em 2011, ele tirou 680 pontos na redação; em 2012, 720; no ano seguinte, 780; até que no exame do ano passado ele alcançou a nota máxima, 1.000. "No último ano, eu passei a dar importância para a redação e estudei sobre as competências que o Enem exige, além disso, me dediquei bastante estudando os temas. Sempre que os professores passavam um tema novo, eu estudava muito sobre aquele assunto para obter um conhecimento de mundo", disse.
 A rotina intensa de cursinho pré-vestibular, isoladas de química, física e redação, além de estudos diários de quatro horas foram fundamentais na preparação do estudante. "Ia para o cursinho pela manhã, voltava para casa para almoçar, depois ia para a isolada mais cedo e ficava estudando na biblioteca, só voltava para casa às 22h, quando ia dormir", contou ao ressaltar que não estudava durante a madrugada para não ter o desempenho prejudicado no dia seguinte.
Dentre as renúncias que Lucas teve que fazer ao longo do ano, como não ir a festas, a que mais marcou foi não assistir a todos os jogos da Copa do Mundo. "O mais difícil para mim foi não assistir ao jogo que quisesse, tive que escolher poucos", relatou.
O estudante investiu na estratégia de responder a redação primeiro para garantir uma nota melhor. Além disso, para ele, mostrar domínio de conhecimentos gerais foi peça chave para a obtenção da nota máxima.
"Fiz o rascunho da redação, depois as questões que eu sabia da prova de matemática e pulei as mais difíceis. Depois voltei para a redação para passar a limpo, e por último acabei as questões que faltavam. No meu texto, eu procurei fazer diferente, mostrei um conhecimento de mundo e fugi da linha de raciocínio tradicional, procurei falar do desenvolvimento sustentável decorrente do consumo para chegar na publicidade infantil", contou.
Para quem vai prestar o exame nos próximos anos, Barbosa indica que é fundamental ir fazer a prova à vontade e estar tranquilo. "No dia anterior à prova, evitei emoções e tive muita autoconfiança. Fui prestar o exame de bermuda, de uma forma que me deixasse bem tranquilo", disse.


Lucas Barbosa dá dicas para quem vai prestar Enem nos próximos anos (Foto: Larissa Vasconcelos/G1)

Ainda segundo ele, é fundamental o candidato se dedicar desde o início do ensino médio. "Aconselho que desde a 1º série do ensino médio o estudante deve se preparar para o vestibular entrando em [cursos de matérias] isoladas. Se eu tivesse me dedicado antes, provavelmente já teria sido aprovado no vestibular, mas adolescente não pensa muito, no momento eu só pensava em curtir", disse.
"Sempre tirei notas boas na época do colégio, mas nunca fui aquele aluno destaque, ia empurrando os estudos com a barriga. Tinha feito dois anos anos de cursinho até que 'caiu a ficha' que o tempo estava passando. Então, no ano passado, no meu terceiro ano de cursinho, eu 'acordei' e percebi que tinha que focar", admitiu.