quinta-feira, 14 de abril de 2016

O BLOG DE REDAÇÃO ESTÁ DE CARA NOVA!

Seja bem-vindo a O Blog de Redação. De layout novo, para tornar sua leitura mais leve e fluida, esperamos que todos gostem!

Abraço e sucesso!

segunda-feira, 4 de abril de 2016

REDAÇÃO & LEITURA

Redação identifica quem sabe ler

Por Paulo César Bacelar Pinheiro*

Especial para a Folha
 Imprimir Comunicar erro
A prova de redação da Unicamp é uma das mais famosas. Tormento para muitos, boa oportunidade de sucesso para quem mantiver a calma e seguir corretamente as orientações que a própria instituição fornece no manual do candidato.

A prova apresenta diferentes opções de temas e de modalidades textuais, por isso escolher bem a proposta que vai desenvolver já é um bom começo.

Em comum, todas as propostas trazem uma coletânea de textos, que deve ser utilizada pelo candidato durante a realização da prova. As coletâneas não estão lá apenas para enfeitar, elas são um recurso fundamental para que os objetivos da avaliação sejam efetivamente atingidos.

Além da capacidade de expressão escrita, a prova de redação pretende identificar aquele aluno que sabe ler criticamente, que é capaz de interpretar dados e fatos e de construir, a partir deles, um texto claro, coeso e coerente.

Desse modo, é essencial o manuseio do conteúdo dos textos constantes das coletâneas, desprezá-los significa anulação de sua redação.

Os critérios de avaliação não apresentam novidade, mas nem por isso devem ser desprezados. Parta do princípio de que seu texto é resposta a uma questão específica, essa questão é a proposta temática apresentada.

Assim, na produção de seu trabalho, para que ele atinja o máximo de correção possível, escreva à luz dos critérios pelos quais a avaliação será encaminhada.

A Unicamp não faz mistério quanto a esses critérios. Em primeiro lugar, exige adequação ao tema que foi proposto e ao tipo de texto solicitado.
Fuga do tema e do tipo de texto requerido -por exemplo: desenvolver uma narrativa quando o pedido foi uma dissertação- significa anulação de sua redação.

Outro critério fundamental é a utilização da coletânea de textos que acompanha cada proposta. Os textos escolhidos servem para verificar a capacidade do vestibulando de identificar e tirar proveito do que for importante para sua argumentação.

Atenção: jamais transcreva ou despreze os textos. Isso é considerado falta grave e também implica anulação da redação.

Articule os argumentos com coerência, deixe bem evidentes o início, o meio e o fim de sua produção. Com sensatez combine argumentos que concorram para a defesa de um ponto de vista.

Organize o conteúdo de seu texto de forma coesa, preste bastante atenção aos pronomes e às conjunções que emprega. Observe se esses elementos estão, de fato, traduzindo o tipo de relação que você estabelecer entres as frases.

O bom senso exige que a linguagem seja adequada à modalidade de texto que estiver desenvolvendo. Dissertação não é seara para coloquialismos nem para marcas de oralidade. Por outro lado, numa narrativa, na fala de uma personagem, desde que o contexto peça, tal tipo de linguagem é aceitável.

Na dissertação, opte pela linguagem formal, denotativa, objetiva e sem aqueles artifícios alegóricos que apenas tornam o texto pomposo e cansativo. Faça-se comunicar com clareza e exatidão.

Para finalizar, dois lembretes e uma receita.


  • Primeiro: não se esconda atrás da manjada desculpa da falta de inspiração. Escrever é ato intelectual, não é emocional, por isso exige conhecimento e raciocínio, é um exercício objetivo da razão.
  • Segundo: os temas de redação usualmente propostos em vestibulares estão diretamente relacionados à vida atual. Tenha certeza de que os livros, jornais e revistas que você leu ultimamente serão úteis para a fundamentação de suas idéias.
  • A receita: considere todos os ingredientes para um bom texto já citados, adicione as técnicas de redação já aprendidas, mas não esqueça de temperar todos eles com seu toque individual.

    O modo de preparar consiste apenas em colocar as estratégias estudadas a serviço de seu ponto de vista e em evitar seguir, como um autômato, receitas de textos prontas, daquelas adquiridas nas prateleiras de algum cursinho.

    Defenda consciente, correta e objetivamente uma opinião sua. O resultado final será bem mais saboroso!
Por Paulo César Bacelar Pinheiro*

sábado, 12 de março de 2016

ARTIGO: A MÁSCARA DA GRANDE MÍDIA

A MÁSCARA DA GRANDE MÍDIA

Ninguém desconhece o fato de que os meios de comunicação são empresas. São geridos como negócio e, como tal, eles sobrevivem no mercado de trabalho e nas bolsas de valores. Muitos donos, no Brasil, a despeito do artigo 54 da CF, são políticos, ou laranja de políticos, ou apadrinhado de políticos. Outros tantos, os velhos e conhecidos coronéis de outrora, numa roupagem moderna de “empresário da informação”, mas com a mesma sanha de dinheiro e poder!
Um incauto da área poderia, então, perguntar-se se a mídia tem lado. Com a resposta, Paul Starr (Professor de sociologia da Universidade de Princeton e ganhador do Prêmio Pulitzer, em sua obra ‘The Creation of the Media’): “Os meios de comunicação mantêm uma relação tão direta com o exercício do poder que se torna impossível entender seu desenvolvimento sem que se leve em muita consideração a Política, não simplesmente com relação ao uso que se faz da mídia, mas também no que se refere às escolhas constitutivas que se realizam sobre os meios de comunicação".
De acordo com isso, fica-se um pouco tautológico averiguar ao espetáculo midiático que se assiste nos dias hodiernos: varre-se para debaixo do tapete o que lhe convém; escancara-se massiva e enfaticamente o que não!
Semelhante a uma matéria recente de uma rede de Tevê retransmissora regional, que mostrava a precariedade de uma grande estação de ônibus da capital. Filmava o asfalto esburacado, as pingueiras, as escadas deterioradas, o teto desabando etc. E eu cá com meus botões: “Será que se redimiu? Ficou imparcial?” Qual não foi a minha surpresa ao assistir a sequência da reportagem, com o prefeito-herói entrando na referida estação, com capacete de peão de obra e tudo, dizendo que ia fazer e acontecer por ali... Um detalhe não nos escapa: o maravilhoso alcaide é da família dona da tevê!
Assim, por que somente os petralhas aloprados são os únicos que vão presos nas intermináveis fases da Lava Jato? Por que somente os governistas vão parar atrás do xilindró? Por que a mídia hegemônica só espetaculariza contra o governo, contra o PT, contra os partidos da base aliada, sendo que existem opositores comprovadamente envolvidos, de outrora e da atualidade? A resposta é com Noam Chowski: “O propósito da mídia não é informar o que acontece, mas sim de moldar a opinião pública de acordo com a vontade do poder corporativo dominante”.
Daí, para a mídia-empresa, pensar no individual é acerto, pensar no coletivo, é erro! Para a mídia-empresa, mercado aberto e estado mínimo é certeza de lucro e crescimento! Para a mídia-empresa, imposto quem tem que pagar é classe trabalhadora e não os ricos! Para a mídia-empresa, quanto mais liberal ou neoliberal, melhor! Enfim, para a mídia-empresa, seus iguais são os velhos senhores da Casa Grande!
Por isso e muito mais, as grandes corporações midiáticas no Brasil e no mundo sempre se aliaram a governos direitistas – eternos donos do comando! –, governos que defendem as mesmas posturas morais que elas, cuja ideologia capital-financeira está tão vigente, tão intrínseca nos dias coetâneos, que tudo que se mostre contrário a isso é emburrecedor, é odiado. Estamos vivendo uma nova fase do comunismo que come criancinhas: é o bolivarianismo de merda dos países fracassados sulamericanos!
Lugar de corrupto é na cadeia! Seja ele petralha ou coxinha! Seja ele neoliberal ou bolivariano! Seja ele culto ou analfabeto! Averigue-se todos os envolvidos, intime-se todos os culpados, prenda-se todos os comprovados com o ilícito, de ontem e de hoje! Imparcialidade é o que merecemos e o que desejamos nesse mar de asneiras e de lado podre a que estamos vendo nessa mídia-lixo, vendida e ideologicamente partidarista!
Que nós possamos ter o bom senso que boa parte dos meios de informação brasileiros relegou a segundo plano; que consigamos enxergar o mal pela raiz e cobrar mudanças como cidadãos pagadores de impostos, honestos e torcedores de um país mais equânime; que vençamos essa crise de valores; que façamos um panelaço real contra essa hegemonia videofinanceira alienante e obsoleta!

(Gustavo Atallah Haun – Professor, formado em Letras (UESC), editor de oblogderedacao.blogspot.com.br. Escreve para jornais de Itabuna e Ilhéus, na Bahia. Publicado no Diário de Ilhéus, de 01 de março de 2016; e no Diário Bahia, de 08 de março de 2016)

quarta-feira, 2 de março de 2016

SAIBA FAZER O DESENVOLVIMENTO DO TEXTO

Desenvolvimento insuficiente prejudica redação

Thaís Nicoleti Camargo - Especial para a Folha de S. Paulo
 Imprimir Comunicar erro
Atualizado em 10/08 às 11h55.
Folha de S.Paulo
O estudante faz uma leitura superficial dos fatos. Talvez seja esse o principal problema do texto. No parágrafo introdutório, no qual caberia a tese a ser defendida, está apenas a constatação de que a população brasileira está muito confusa diante das atitudes eticamente condenáveis perpetradas pelos governantes.

O desenvolvimento dessa ideia revela certo simplismo. É verdade que, mais uma vez, o dinheiro do povo está sendo desviado de seus objetivos e que os problemas crônicos do país- saúde, educação, desemprego e violência- continuam negligenciados. Ocorre, entretanto, que talvez não seja esse o foco da questão.

Estamos diante de uma situação complexa. O grupo que ora se encontra no poder simbolizava a esperança de renovação e, sobretudo, de compromisso com os anseios do povo. A frustração imensa que acomete as pessoas vem do sentimento de traição da confiança. Além disso, não se trata agora simplesmente de indivíduos que se aproveitam do poder para assaltar o erário e encher os próprios bolsos. Estamos diante da revelação de práticas absolutamente desrespeitosas à ética, como a compra de votos, que vem sendo chamada de "mensalão".
Se, por um lado, o conhecimento dos fatos nos faz desacreditar ainda mais da classe política, por outro- e isso talvez nos sirva de alento-, é ele que nos pode conduzir à construção de novos caminhos. Essa é a discussão contida na proposta de redação.
É importante que o redator assuma uma posição, seja qual for, e a defenda. O debate de ideias, bem como a proposição de hipóteses e ponderações, enriquece o texto dissertativo. A mera constatação dos fatos é insuficiente.
Ao dissertar, é preciso emitir opiniões e validá-las por meio de argumentos. É a capacidade de organizar um raciocínio que é valorizada na redação.
Convém deixar claro que uma opinião é um pensamento construído. Só temos opinião sobre aquilo que é objeto de nossa reflexão. É preciso que nós nos convençamos das ideias que pretendemos expor aos outros, O texto aqui comentado não se desenvolve porque o autor não se propõe posicionamentos nem reflexão. É preciso buscar os pontos problemáticos do tema, aqueles capazes de suscitar a polêmica. Ao problematizar o tema, as ideias surgem. Depois, o trabalho é selecioná-las e hierarquizá-las.
A linguagem, por sua vez, deve abandonar o tom informal e, com o máximo de precisão e correção gramatical, contribuir para a articulação das ideias.
Thaís Nicoleti Camargo - Especial para a Folha de S. Paulo

sábado, 20 de fevereiro de 2016

TEMAS DE REDAÇÃO PARA MEDICINA

TEMAS POSSÍVEIS PARA VESTIBULARES DE MEDICINA

Como todos sabem, algumas Faculdades têm optado em fazer o tema de Redação dos seus vestibulares para Medicina separado dos demais cursos/temas. E como base de conteúdo para os textos, têm exigido assuntos que se restringem ao conhecimento médico ou que seja da área de abrangência do curso supracitado.

Então, elenco aqui alguns temas possíveis, que podem cair ou não nessas provas, servindo apenas de material para que se treine redação com a essência conteudística pretendida:

  • A ética na consulta médica;
  • As relações interpessoais dos profissionais da saúde;
  • Juramento de Hipócrates: a realidade e a fantasia?;
  • A síndrome de Burnout afetando os profissionais da saúde;
  • As epidemias coletivas no Brasil atual;
  • O humanismo na relação médico x paciente;
  • O programa Mais Médico em foco;
  • As tecnologias modernas e a proliferação de novas doenças/síndromes;
  • Alopatia x Homeopatia;
  • Os vícios humanos e a medicina;
  • Doenças da alma ou quando a mente está doente;
  • A influência da espiritualidade/religiosidade na cura;
  • O SUS: referência mundial ou descaso dos governos?
  • Etc.


Espero que tenha ajudado e servido de bom treino!


Sucesso!!!

domingo, 25 de outubro de 2015

PARABÉNS AOS LEITORES-SEGUIDORES DE O BLOG DE REDAÇÃO!


Tema mais do que esperado no Enem, a violência contra a mulher surgiu da necessidade de um debate mais profundo, num ano em que mais se atacou o sexo feminino, e até a nossa presidente foi parar em adesivos de carro, com as pernas abertas, para ser abastecida de gasolina pela genitália!

Tema trabalhado por nós em sala de aula, assim como o feminicídio: ato bárbaro, medievo, que também persiste entre nós, merecendo uma lei específica para tentar erradicá-lo (Lei 13.104/15, de 09 de março de 2015)

Sucesso, meus queridos!

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

PROVAS FALSAS DE REDAÇÃO DO ENEM 2015

Estão surgindo algumas provas de Redação do Enem de 2015 nas redes sociais, como se fossem a que vai acontecer no próximo domingo. O MEC tem divulgado nota quanto a isso, dizendo que são provas falsas.

Acreditamos que pelo fato de o próprio MEC-Inep fazer testes com a Prova do Enem em escolas do Brasil, além destas que fazem seus simulados, pode ter acontecido de um desses testes/simulados terem sido fotografados...

Aguardemos a verdade até domingo!



sábado, 17 de outubro de 2015

PRESSÃO: ENEM CHEGANDO!!!

16/10/2015 06h00 - Atualizado em 16/10/2015 06h00

Enem 2015: pressão dos pais pode atrapalhar resultado de estudantes

Veja o que os candidatos andam ouvindo dos pais nesta reta final.
Para psicóloga, pressão agora é como 'sal na comida', pouco ou muito é ruim.


A pressão dos pais pode ser um dos grandes vilões na reta final dos estudos em busca de uma vaga na universidade. O G1 visitou os cursinhos Maximize e Poli, em São Paulo, para saber o que os estudantes têm ouvido de seus pais às vésperas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).(veja o vídeo acima).

Tanto na opinião dos estudantes quanto na visão de especialistas as cobranças precisam ser dosadas. Cobranças em excesso, comparações e ameaças podem provocar o efeito contrário e prejudicar os estudantes. "Num mundo perverso e competitivo, não ter apoio e incentivo dentro de casa pode tornar o jovem mais inseguro do que gostaríamos", afirma a psicóloga Rita Calegari.

Frases de impacto: comparação
O estudante Bruno Benotti, de 18 anos, quer cursar design, e vai prestar Fuvest, além de fazer o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

“Há uma pressão direta, principalmente porque minha irmã passou (para farmácia na Unesp). Eu vim do ensino público e tive de aprender muitas coisas no cursinho”, diz. Ele afirma que sente privilegiado por estar “apenas” estudando. “Tem gente que trabalha e estuda, eu estou só estudando. Por outro lado, minha mãe já falou que ano que vem vai parar de me bancar.”
Na casa de Débora Aparecida, de 18 anos, também há comparações. “Há uma pressão psicológica, porque eu tenho uma prima já formada e meus pais ficam me comparando.” Débora diz que se incomoda, mas por outro lado, leva como incentivo. “É uma força a mais, quero mostrar que eu consigo.”
‘Não vou mais gastar dinheiro’
Estela Fonseca, de 18 anos, já foi avisada pela mãe que não poderá fazer cursinho por mais um ano. Ela sempre estudou na rede particular de ensino, por isso é cobrada para entrar em uma faculdade pública. “Ela já avisou que não vai gastar mais dinheiro comigo. Ela quer que eu seja algo na vida e fica perguntando toda hora se já estudei, se já li os livros da Fuvest.”

Ela já avisou que não vai gastar mais dinheiro comigo. Ela quer que eu seja algo na vida e fica perguntando toda hora se já estudei, se já li os livros da Fuvest."
Estela Fonseca,
estudante
'Ela não quer que eu perca tempo'
Ana Carolina Marcon, de 18 anos, é filha única e foi criada pela mãe. Ela quer estudar nutrição e sente o peso de ter seguir o exemplo da mãe. “Ela sempre estudou muito, trabalhou, me teve nova e se virou. Ela não quer que eu perca tempo, que eu fique gastando o dinheiro dela.”

Ana Carolina diz que a mãe fica no pé, “dá uns gritos”, mas acha que ela tem razão em cobrar. A exigência nem é por uma vaga em uma instituição pública, pode ser na rede privada, desde que ela trabalhe.
‘Não dá para ficar quatro anos no cursinho’
A cobrança dos pais de Kayanne Ambrosio, de 18 anos, não é tão grande para que ela passe no vestibular neste ano. A trégua é porque ela quer estudar medicina, e os pais sabem o quanto o curso é concorrido. No entanto, já foi avisada de que não poderá ficar quatro anos no cursinho.

“Como eles investem, querem retorno. Mas já me falaram: você não vai ficar quatro anos no cursinho. Minha mãe fica de segunda a segunda falando que eu tenho de estudar, ainda mais quando não me vê com os livros.”
Cursinho pago pelos avós
Quem paga o cursinho do estudante Gustavo Lopes, de 18 anos, são seus avós, por isso a cobrança dos pais para que ele entre na faculdade é ainda maior. "Eles dizem que eu tenho de estudar todo o tempo que tenho porque meus avós estão investindo em mim, eu fico meio nervoso."

Pais ignoram complexidade do desafio
Os pais de Daniel Kesley, de 18 anos, ficam repetindo que ele precisa passar no vestibular neste ano. O pai é caminhoneiro e a mãe atendente de telemarketing. Kesley quer cursar contabilidade, estudou na rede pública e entrou no cursinho neste ano para se preparar melhor.

Ele diz que se sente tranquilo em relação à cobrança dos pais porque consegue pagar o próprio cursinho e não precisa usar o dinheiro deles. Kesley trabalha em uma barraca de verduras na feira de fim de semana para pagar o estudo. "Meus pais não têm estudo e eles não têm ideia do que são as prova de vestibular, o Enem. Eu mesmo só descobri o que era o Enem, no ano passado."
Num mundo perverso e competitivo, não ter apoio e incentivo dentro de casa pode tornar o jovem mais inseguro do que gostaríamos."
Rita Calegari,
psicóloga
Falta de apoio gera insegurança
A psicóloga Rita Calegari diz que a pressão dos pais neste momento é como "sal na comida." "Se estiver na medida errada, para mais ou para menos, pode estragar o prato. Da mesma forma, pais que não manifestam nenhum tipo de cobrança ou pais que cobram demasiadamente, irão prejudicar os filhos."

Rita lembra que ameaças e comparações não costumam ajudar. "A menos que a comparação seja positiva, num tom amistoso: 'seu irmão não é melhor que você e conseguiu porque se esforçou, logo você também pode.'"
Para ela, a ameaça também pode surtir outro efeito, o de aparecer que "não amamos nossos filhos pelo que são e representam, mas pelo resultado que obtém." "Num mundo perverso e competitivo, não ter apoio e incentivo dentro de casa pode tornar o jovem mais inseguro do que gostaríamos."
O que os pais podem fazer nessa hora é oferecer apoio, segundo a psicóloga. "Entenda se ele estiver tenso e preocupado e diga-lhe que sempre há uma segunda ou terceira chance, que a vida dele não vai acabar se ele não passar no vestibular, que os pais continuarão amando-o mesmo que não consiga."(Fonte: Vanessa Fajardo Do G1, em São Paulo)

sexta-feira, 16 de outubro de 2015

TEMA POSSÍVEL PARA REDAÇÃO DO ENEM III - TRABALHO SOCIAL VOLUNTÁRIO

PROPOSTA DE REDAÇÃO

“O trabalho voluntário vem assumindo cada vez mais um expressivo papel na sociedade brasileira.

Há alguns anos, ao se pensar em ações voluntárias, automaticamente pensava-se em movimentos religiosos ou trabalhos na área da saúde. Sem dúvida essas contribuições eram e continuam sendo importantes, mas foi a partir da década de 90, quando surgiu o movimento Ação da Cidadania Contra a Miséria e pela Vida, liderado pelo sociólogo Herbert de Souza, o Betinho, que a consciência solidária da sociedade passou a ter visibilidade, traduzindo um esforço voluntário de amplos setores nacionais, sobre tudo os anônimos.

Mas afinal, o que é um voluntário?

o   É aquele que presta serviços não remunerados em benefício da comunidade.
o   Segundo a definição das Nações Unidas, “o voluntário é o jovem ou adulto que, devido a seu interesse pessoal e seu espírito cívico, dedica parte do seu tempo, sem remuneração alguma, a diversas formas de atividade, organizadas ou não, de bem-estar social, ou outros campos…”

Assim, ele realiza o trabalho gerado pelo impulso solidário, atendendo tanto às necessidades do próximo quanto às suas próprias motivações pessoais.” (Fonte: http://www.riovoluntario.org.br/ voluntarios/o-trabalho-voluntario/)

Filantropia:
1. Amor à humanidade. Oposto de misantropia. 2. Esforço na promoção do bem-estar de outras pessoas. 3. Qualquer ação dessa natureza.

Beneficência:
1. Inclinação para o bem. 2. Caridade.
(Fonte: Dicionário Houaiss)

“Altruísmo e solidariedade são valores morais socialmente constituídos vistos como virtude do indivíduo. Do ponto de vista religioso acredita-se que a prática do bem salva a alma; numa perspectiva social e política, pressupõe-se que a prática de tais valores zelará pela manutenção da ordem social e pelo progresso do homem. A caridade (forte herança cultural e religiosa), reforçada pelo ideal, as crenças, os sistemas de valores, e o compromisso com determinadas causas são componentes vitais do engajamento.” (Fonte: http://www.voluntarios.com.br/oque_e_voluntariado.htm)



A partir da leitura dos textos motivadores seguintes e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija um texto dissertativo-argumentativo, na modalidade escrita formal da Língua Portuguesa, sobre o tema “O trabalho social e voluntário na realidade brasileira”, apresentando proposta de intervenção que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

SUGESTÃO DE TEMAS PARA A REDAÇÃO DO ENEM 2015

TEMAS PARA O ENEM 2015 (REDAÇÃO):


II Guerra Mundial
Militarismo no Brasil
Processo de redemocratização do contexto brasileiro
Seca histórica no nordeste brasileiro
Crise hídrica no sudeste do Brasil
Processo de desertificação nacional
Democracia e participação cidadã
Conflitos entre liberdades / abusos
Crise ética e descrédito político
Minorias
Políticas públicas afirmativas
Violência doméstica
Feminicídio
Condição da mulher
Maioridade penal
Racismo (esporte / mídia)
Legalização da maconha

***Regulação da mídia***

VAMOS TREINAR! BOA SORTE!!!

domingo, 23 de agosto de 2015

TEMA POSSÍVEL PARA REDAÇÃO DO ENEM II - REGULAÇÃO DA MÍDIA

O Brasil precisa adotar a regulação da mídia?
A recente adoção de um órgão independente regulador da mídia por parte do Reino Unido, após os escândalos envolvendo jornalistas que usaram grampos telefônicos ilegais para ouvir conversas de políticos e celebridades, trouxe de volta ao Brasil a discussão da necessidade de regulação da mídia. Já existente em diversos países da América do Sul, nos Estados Unidos e na Europa (como França e Alemanha), a regulação é uma das bandeiras defendidas pelo Partido dos Trabalhadores (PT), que, após a reeleição da presidente Dilma Rouseff, já acena possibilidades de discussão sobre o assunto para apresentação de propostas. No entanto, grande parte da imprensa brasileira não é a favor da regulação, alegando que a mesma poderia se tornar uma estratégia governamental para barrar ou influenciar conteúdos.
PROPOSTA DE REDAÇÃO
Elabore sua redação dissertativa-argumentativa considerando as ideias a seguir:
Em entrevista ao SBT, Dilma reafirmou que não irá interferir na liberdade de expressão. Sobre a parte econômica, disse que o setor "tem que ter" regulações, mas não explicou quais. Questionada se irá fazer algum projeto nesse sentido, disse: "vamos discutir bastante antes de fazê-lo". [Folha de São Paulo/UOL]

(...) a rainha Elizabeth II sancionou nesta quarta-feira um sistema de regulação da mídia, que foi amplamente criticado por jornalistas locais. A iniciativa, apoiada pelos três principais partidos políticos britânicos, vem na esteira do escândalo de escutas telefônicas por jornalistas, e depois de os meios de comunicação verem seus esforços contra o controle rejeitados na Justiça. [ O Globo ]

A percepção contemporânea de que os meios de comunicação são instituições centrais para os regimes democráticos garantiu a esses meios, por parte dos Estados Nacionais, um conjunto de direitos especiais que têm sua mais importante expressão no direito à liberdade de imprensa. Por outro lado, esse mesmo reconhecimento e o fato de serem definidos como direitos especiais levaram os Estados Nacionais a estabelecerem um conjunto de regras que ressaltam os deveres da mídia em relação às nossas democracias. Trata-se da ideia de regulação da mídia. [Portal Andi ]


Com o objetivo de contribuir para o debate sobre o novo marco regulatório para as comunicações no Brasil, o Intervozes – Coletivo Brasil de Comunicação Social apresenta um levantamento sobre o funcionamento de órgãos reguladores que atuam sobre sobre a radiodifusão em 10 países. O estudo revela a tendência de os países adotarem órgãos independentes para regulação do setor, com ênfase nas questões de garantia de competição, gestão do espectro e de regulação de conteúdo. [Observatório da Imprensa ]