terça-feira, 22 de julho de 2014

SUGESTÕES DE TEMAS PARA A REDAÇÃO DO ENEM 2014

Para quem acompanha  o Enem desde 1998 (primeiro ano de implantação), sabe que é um padrão da prova ser feita nos meses de maio, junho e julho, ou seja, com bastante antecedência. É só dar uma olhada na data dos textos de apoio e ver o dia em que foram acessados, publicados, postados. Afinal, são milhões de provas que precisam ser impressas, inclusive com uma prova de reserva, caso surja algum problema, como o que aconteceu em 2009.

Então, dentro do que foi discutido pelos meios de comunicação no primeiro semestre deste ano, elaboro uma lista de sugestões de temas de redação que o estudante pode começar a ler e escrever sobre, mesmo não tendo bola de cristal, mas dentro do previsível que é a elaboração da redação do Enem: tema genérico, universal, de âmbito social, cultural, político ou científico.

Temas possíveis:

—  A destinação do lixo;
—  Participação do jovem na política;
—  Maioridade penal;
—  Mobilidade urbana e/ou Meios de transportes;
—  O novo Marco Civil da internet;
—  Esporte como fator de (não?) inclusão social;
—  A mulher do século XXI;
—  A Água e/ou a Falta de comida (seca);
—  50 anos da Ditadura Militar e a Comissão da Verdade;
—  20 anos do Plano Real;
—  Impactos tecnológicos na vida moderna.

domingo, 13 de julho de 2014

BILIONÁRIO DA EDUCAÇÃO!

Atualizado: 12/07/2014 | Por Aluizio Falcão e Françoise Terzian- Forbes Brasil

“Sempre consegui estudar seis horas por dia”, conta Janguiê Diniz, novo bilionário do Brasil

Empresário conta como foi de engraxate quando menino e presidente do Grupo Ser Educacional
Armando Artoni/Divulgação
Armando Artoni/Divulgação
Quais as chances de um menino humilde de uma cidade pequenina do interior da Paraíba (Santana dos Garrotes), que começou a trabalhar aos 8 anos de idade como engraxate, depois vendedor de mexericas e, mais tarde, de picolés, transformar-se em um bilionário, dono do maior grupo de educação do Norte e Nordeste do país, com 24 unidades em operação e mais de 110 mil alunos que estudam de direito a medicina? Diante de um começo tão ingrato, qualquer um diria zero.


Mas Janguiê Diniz, 49 anos, presidente do Grupo Ser Educacional, holding controladora das Faculdades Maurício de Nassau (Uninassau) e Joaquim Nabuco, dentre outras instituições de ensino, foi longe. Tão longe que, no ano passado, estreou na Bolsa. A empresa da qual é controlador com 71% está avaliada em cerca de R$ 2,6 bilhões. E esse patrimônio não é tudo. “Aí não estão inclusos os imóveis do grupo, que dão uns R$ 500 milhões (neste caso, ele é o único dono).” Em paralelo, tem negócios na área de comunicação, infraestrutura, moda e informática. Sua participação em todos é como investidor.


Herbert Steinberg, presidente da consultoria Mesa Corporate Governance, que ajudou na montagem do conselho de administração da Ser Educacional e que atende Diniz há anos, conta que o fundador do grupo é o rei da educação no Nordeste. “O negócio criado pelo Janguiê é de tão alto potencial de crescimento que, em outubro de 2013, quando as coisas não estavam indo bem na Bolsa, ele conseguiu levantar R$ 620 milhões. Não foi por acaso que o Grupo Ser atraiu o interesse dos investidores.”


Sorte? Networking? Jogada de mestre? Não. Mas uma combinação de disciplina e determinação. E isso não é conversa da boca para fora. “Como eu vim de uma família muito pobre, era por meio do estudo que eu buscava alcançar meus objetivos. Sou uma pessoa muito determinada. Costumo, inclusive, me definir como obstinado. Achei que a única forma de vencer na vida era traçar metas, fugir do status quo. Ou ganhava na loteria, ou estudava. Consegui fazer letras, mestrado e doutorado. Sempre cumpri metas como a de estudar seis horas por dia, mesmo aos sábados, domingos e feriados. Se ficasse doente e não pudesse estudar um dia, pagava as horas no outro”, afirma Diniz à FORBES Brasil.
Apesar de todas as dificuldades enfrentadas, o empresário faz questão de enfatizar que nunca faltou comida na mesa de casa. Exigentes, os pais o obrigavam a estudar. E ele estudou. Em escola pública. E, em paralelo, passou a trabalhar, ainda na infância. Quando finalizou o ensino básico, aos 14 anos, Diniz se mudou para o Recife, pois em Pimenta Bueno (RO), cidade onde então vivia, não havia ensino médio. Já na capital pernambucana, foi morar com um tio, com quem trabalhou como digitador, e o grande responsável por abrir seus olhos para o direito. Nessa época, trabalhava e estudava para o vestibular, pois não teria condições de fazer uma faculdade particular. “No primeiro vestibular, fui aprovado na Faculdade de Direito do Recife, da Universidade Federal de Pernambuco.”


Fazer mais do que o necessário é um dos conselhos de Diniz. Foi assim, na batalha contra as adversidades, que o empresário foi, mais tarde, aprovado no concurso para juiz, procurador, até chegar ao status atual. “Eu fui um garoto que não participou de baladas. Enquanto meus colegas da escola estavam nas festas, eu estava estudando para passar no vestibular da Federal.”
E ser pobre não é desculpa. Ele lembra que existe o Prouni – Programa Universidade para Todos. “Tudo que conquistei na minha vida foi oriundo dos estudos. Foi estudando que consegui cursar direito e letras, fazer pós-graduação, mestrado e doutorado.” Com a vida, aprendeu outra lição: bem preparado pelos estudos, é preciso também ser perspicaz para ficar atento às oportunidades. Era sua vontade, desde cedo, ter um negócio na área de educação.
Enquanto estudava, percebeu que haviam poucos cursinhos especializados e, então, decidiu que quando conquistasse seu objetivo inicial de ser um magistrado, iria ensinar outros interessados como se preparar para a prova. “Quando fui aprovado no concurso para juiz do trabalho, comecei com um cursinho em uma sala, onde eu mesmo ensinava. O número de alunos foi crescendo e precisei trazer alguns outros professores para me ajudar. Assim surgiu o Bureau Jurídico. Daí para frente, tudo foi consequência.”

Siga a FORBES Brasil no Twitter (@forbesbr), no Facebook (ForbesBrasil) e no Instagram (@forbesbr).
Assine a revista impressa, em www.assineforbes.com.br

quinta-feira, 10 de julho de 2014

CARTA DE ROMÁRIO!

Romário é deputado federal (PSB) e Candidato a Senador pelo RJ, na Chapa de Lindeberg Farias (Líder dos Caras Pintadas no 'Fora Collor' e atual senador pelo PT); Ex-jogador do Vasco, do Flamengo, do Fluminense, do PSV da Holanda, do Barcelona e da SELEÇÃO BRASILEIRA.

Romário ataca cartolas que comandam o futebol: 'bando de ladrões, corruptos e quadrilheiros'

Atualizado: 09/07/2014 11:30 | Por ESPN.com.br- espn.com.br

Leia na íntegra a carta publicada por Romário:

Galera,

passado o luto das primeiras horas seguidas da derrota, vamos ao que verdadeiramente interessa! Quem tem boa memória, vai lembrar da minha frase: Fora de campo, já perdemos a Copa de goleada!
Infelizmente, dentro de campo, não foi diferente.
Ontem foi um dia muito triste para nosso futebol. Venceu o melhor e ninguém há de questionar a superioridade do futebol alemão já há alguns anos. Ainda assim, o mundo assistiu com perplexidade esta derrota, porque nem a Alemanha, no seu melhor otimismo, deve ter imaginado essa vitória histórica.
Porém, se puxarmos da memória, vamos lembrar que nossa seleção já não vinha apresentando nosso melhor futebol há muito tempo. Jogamos muito mal. Infelizmente, levamos sete e, por mais que isso cause mal-estar, devemos admitir que a chuva de gols foi apenas reflexo do pânico, da incapacidade de reação dos nossos jogadores e da falta de atitude do treinador de mudar o time.
Vivemos uma crise no nosso esporte mais amado, chegamos ao auge dela. Acha que isso é problema só dos jogadores ou do Felipão? Nem de longe.
Nosso futebol vem se deteriorando há anos, sendo sugado por cartolas que não têm talento para fazer sequer uma embaixadinha. Ficam dos seus camarotes de luxo nos estádios brindando os milhões que entram em suas contas. Um bando de ladrões, corruptos e quadrilheiros!
O meu sentimento é de revolta.
Estou há quatro anos pregando no deserto sobre os problemas da Confederação Brasileira de Futebol, uma instituição corrupta gerindo um patrimônio de altíssimo valor de mercado, usando nosso hino, nossa bandeira, nossas cores e, o mais importante, nosso material humano, nossos jogadores. Porque não se iludam, futebol é negócio, business, entretenimento e move rios de dinheiro. Nunca tive o apoio da presidenta do País, Dilma Rousseff, ou do ministro do Esporte, Aldo Rebelo. Que todos saibam: já pedi várias vezes uma intervenção política do Governo Federal no nosso futebol.
Em 2012, eu apresentei um pedido de CPI da CBF, baseado em um série de escândalos envolvendo a entidade, como o enriquecimento ilícito de dirigentes, corrupção, evasão de divisas, lavagem de dinheiro e desvio de verba do patrocínio da empresa área TAM. O pedido está parado em alguma gaveta em Brasília há dois anos. Em questionamento ao presidente da Câmara dos Deputados, sr. Henrique Eduardo Alves, mas ouvi como resposta que este não era o melhor momento para se instalar esta CPI. Não concordei, mas respeitei a decisão. E agora, presidente, está na hora?
Exceto por um vexame como o de ontem, o Brasil não precisaria se envergonhar de uma derrota em campo, afinal, derrotas fazem parte do esporte. Mas vergonha mesmo devemos sentir de ter uma das gestões de futebol mais corruptas do mundo. A arrogância dessa entidade é tão grande que até o chefe da assessoria de imprensa chega ao absurdo de bater em um atleta de outra seleção, como fez o Rodrigo Paiva contra um jogador do Chile Pinilla. Paiva pegou quatro jogos de suspensão e foi proibido de acessar o vestiário dos jogadores. Este ato foi muito simbólico e diz muito sobre eles. O presidente da entidade, José Maria Marin, é ladrão de medalha, de energia, de terreno público e apoiador da ditadura. Marco Polo Del Nero, seu atual vice, recentemente foi detido, investigado e indiciado pela Polícia Federal por possíveis crimes contra o sistema financeiro, corrupção e formação de quadrilha. São esses que comandam o nosso futebol. Querem vergonha maior que essa?
Marin e Del Nero tinham que estar era na cadeia! Bando de vagabundos!!!
A corrupção da CBF tem raízes em todos os clubes brasileiros, vale lembrar que são as federações e clubes que elegem há anos o mesmo grupo de cartolas, com os mesmos métodos de gestão arcaicos e corruptos implementados por João Havelange e Ricardo Teixeira e mantidos por Marin e Del Nero. Vale lembrar, que estes dois últimos mudaram o estatuto da entidade e anteciparam a eleição da CBF para antes da Copa. Já prevendo uma possível derrota e a dificuldade que eles teriam de se manter no poder com um quadro desfavorável.
E os clubes? Sim, eles também são responsáveis por essa crise. Gestões fraudulentas, falta de investimento na base, na formação de atletas. Grandes clubes brasileiros estão falindo afogados em dívidas bilionárias com bancos e não pagamentos de impostos como INSS, FGTS e Receita Federal.
E toda essa má gestão que tem destruído o nosso futebol, infelizmente, tem sido respaldada há anos pelo Congresso Nacional com anistias e mais anistia destes débitos. Este ano tivemos mais um projeto desses vexatórios para salvar os clubes. Um projeto que previa que clubes pagassem apenas 10% de suas dívidas e investissem 90% restante em formação de atletas. Parece até deboche. Uma soma de aproximadamente R$ 4 bilhões ou muito mais, não se sabe ao certo. Corajosamente, o deputado Otávio Leite, reconstruiu o texto e apresentou uma proposta honesta estruturada em responsabilidade fiscal, parcelamento de dívidas e a criação de um fundo de iniciação esportiva, com obrigações claras para clubes e CBF.
Em resumo, a nova proposta além de constituir a Seleção Brasileira de Futebol e o Futebol Brasileiro como Patrimônio Cultural Imaterial - obrigava a CBF a contribuir com alíquota de 5% sobre as receitas de comercialização de produtos e serviços proveniente da atividade de Representação do Futebol Brasileiro nos âmbitos nacional e internacional. O tributo também incidiria sobre patrocínio, venda de direitos de transmissão de imagens dos jogos da seleção brasileira, vendas de apresentação em amistosos ou torneios para terceiros, bilheterias das partidas amistosas e royalties sobre produtos licenciados. O valor seria destinado a um fundo de iniciação esportiva para crianças e jovens de todo o Brasil. Esses e outros artigos dariam responsabilidade à CBF, punição à entidades e outros gestores do futebol, a CBF estaria sujeita a fiscalização do TCU e obrigada a ter participação de um conselho de atletas nas decisões.
Mas este texto infelizmente não foi para a frente. Sete deputados alemães fizeram os gols que desclassificaram nosso futebol e nos tirou a chance de moralizar nosso esporte. Estes deputados, como todos sabem, fazem parte da Bancada da CBF, mudei o nome porque Bancada da Bola é muito pejorativo para algo que amamos tanto. Gosto de dar os nomes: Rodrigo Maia (DEM -RJ), Guilherme Campos (PSD-SP), Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), José Rocha (PR-BA) , Vicente Cândido (PT-SP), Jovair Arantes (PTB-GO) e Valdivino de Oliveira (PSDB-GO).
Essa partida ainda pode ser revertida com a votação do projeto no Plenário da Câmara. Será que esses sete deputados voltarão a prejudicar o nosso futebol?
O futebol brasileiro tomou uma goleada e a derrota retumbante, infelizmente, não foi só em campo. Nem sequer tivemos o prazer de jogar no Maracanã, um templo do futebol mundial, reformado ao custo de mais de R$ 1 bilhão. Acha que foi porque não chegamos a final? Não. Poderíamos ter jogado qualquer outro jogo lá. A resposta disso é ganância e arrogância. É a CBF que escolhe onde o Brasil vai jogar, mas, obviamente, poderia ter tido interferência do Ministério do Esporte e da presidência da República, mas nenhum destes se manifestou. Quem levou com essas escolhas?
Para fechar com chave de ouro, a CBF expulsou do vestiário Cafu, capitão de seleção do pentacampeonato. Cafu foi expulso do vestiário enquanto cumprimentava os jogadores ontem. Este é o retrato do nosso futebol hoje, não honramos a nossa história.
Dilma tem sim que entregar a taça para outra seleção. Este gesto será o retrato do valor que ela deu ao nosso futebol nos últimos anos! Eles levarão a taça e nós ficaremos com nossos estádios superfaturados e nenhum legado material, porque imaterial, mostramos para o mundo que com toda nossa dificuldade, somos um povo feliz.
Essa será a taça da vergonha.


terça-feira, 8 de julho de 2014

CRESÇA & APAREÇA, MLK!

Jovem pseudomaduro pode se envolver com drogas e crimes
1

Jan Hoffman
Do The New York Times

Compartilhe417
 Imprimir Comunicar erro
  • Getty Images
    Estudo da Universidade de Virgínia, nos Estados Unidos, acompanhou jovens dos 13 aos 23 anos
    Estudo da Universidade de Virgínia, nos Estados Unidos, acompanhou jovens dos 13 aos 23 anos
Aos 13 anos, eles eram vistos pelos colegas de aula com inveja, admiração e um pouco de reverência. As meninas se maquiavam, tinham namorados e iam a festas organizadas por estudantes mais velhos. Os meninos se gabavam de beber cerveja às escondidas, nas noites de sábado, e afanarem camisinhas da loja de conveniência local.
Eles eram maneiros. Eram bonitos. Completamente diferentes de você. O que aconteceu com eles?
"A garotada que foi pela via expressa não terminou bem", afirmou Joseph P. Allen, professor de psicologia da Universidade de Virgínia, nos Estados Unidos. O especialista é o autor principal de um estudo, publicado neste mês no periódico "Child Development", que acompanhou esses jovens socialmente precoces e corredores de riscos durante uma década. De acordo com a pesquisa, ao longo do ensino médio, o status social desses indivíduos despencou e eles começaram a patinar de muitas formas.
Foi a corrida prematura, que Allen chama de comportamento pseudomaduro, que abriu o caminho para os problemas. Agora com 20 e poucos anos, muitos deles contabilizam dificuldades com relacionamentos íntimos, álcool, maconha e até mesmo atividade criminal.
"Eles estão fazendo coisas mais radicais para continuarem parecendo bacanas, gabando-se de beber uma dúzia e meia de latas de cervejas em um sábado à noite. Seus colegas pensam: 'essa garotada não tem competência social'. Eles ainda estão vivendo no mundo do ginásio."

Veja dez temas que você já deveria ter conversado com seu filho adolescente11 fotos

1 / 11
Atualmente, as relações familiares são mais informais. Em vários lares, as pessoas conversam sobre os mais diversos tipos de assunto, o que ajuda a fortalecer os vínculos afetivos e a estabelecer uma convivência mais harmoniosa e verdadeira. No entanto, por motivos como vergonha, desconhecimento, questões e tabus particulares ou mesmo dificuldade em lidar com o amadurecimento do filho, muitos pais acabam esperando a chegada da adolescência para tratar de determinados temas. Conheça alguns importantes, apontados por especialistas, e veja dicas sobre como conduzir melhor o diálogo | Por Heloísa Noronha - Do UOL, em São Paulo Stefan/Arte UOL
Como alunos apressadinhos do fim do ensino fundamental, eles eram motivados por um desejo realçado de impressionar os amigos. Na verdade, o comportamento descarado lhes rendeu uma popularidade alta. Porém, no ensino médio, os colegas começaram a amadurecer, e a popularidade dos garotos descolados desapareceu.
B. Bradford Brown, professor de psicologia educacional da Universidade de Wisconsin-Madison, que escreve sobre relações entre adolescentes e não participou do estudo, disse que a pesquisa oferece dados valiosos. O achado que mais o surpreendeu foi que o comportamento pseudomaduro é um indicador mais forte de problemas com álcool e drogas do que os níveis de uso de drogas no começo da adolescência.
Segundo Brown, pesquisas com adolescentes costumam acompanhá-los durante toda a adolescência, porém esse estudo acompanhou um grupo diversificado de 184 participantes de Charlottesville, na Virgínia, começando aos 13 anos e terminando aos 23.
Os pesquisadores batalharam para documentar a ascensão e a queda do status social, entrevistando, periodicamente, os participantes e as pessoas que esses consideram conhecê-los melhor, geralmente amigos do peito. Aproximadamente, 20% do grupo caiu na categoria de "garoto descolado" no princípio da pesquisa.
De acordo com Allen e seus colegas, três comportamentos visando à popularidade caracterizam a pseudomaturidade: a busca de amigos fisicamente atraentes, romances mais numerosos e intensos, em termos emocionais e sexuais, e pequenos atos de delinquência –matar aula, entrar às escondidas no cinema e vandalismo.
O estudo constatou que, ao completarem 23 anos, na comparação com os colegas do ginásio que tiveram menos pressa, eles tinham um índice 45% maior de problemas resultantes do uso de álcool e da maconha e 40% maior uso dessas substâncias. Eles ainda apresentavam um nível 22% maior de comportamento criminoso adulto, de roubo a assaltos.
Muitos atribuíram os relacionamentos românticos adultos fracassados ao status social, acreditando que a falta de classe fosse o motivo para que os parceiros terminassem com eles. As iniciativas prematuras de agir como um indivíduo mais velho parece ter lhes deixado atrofiados em termos sociais. Quando os colegas foram questionados sobre como esses adultos se davam com os outros, o índice da antiga garotada bacana ficou 24% abaixo do que a média de jovens adultos.
Os pesquisadores questionaram por que esse conjunto de comportamentos levou esses jovens em uma espiral descendente. Allen sugeriu que, embora estivessem tentando ser populares, eles perdiam um período de desenvolvimento crítico. Ao mesmo tempo, outros adolescentes jovens aprendiam a forjar amizades com o mesmo sexo enquanto participavam de atividades sem dramas, como ver um filme em casa, em uma sexta à noite. De acordo com ele, os pais deveriam apoiar esse comportamento e não lamentar que o filho não é "popular".
"Ser verdadeiramente maduro enquanto adolescente significa que você é capaz de ser um amigo bom, leal, solidário, esforçado e responsável. Porém, isso não gera muito sucesso em uma manhã de segunda-feira do nono ano."
Brown sugeriu outra perspectiva sobre por que a garotada maneira se perde no caminho. Os adolescentes que abrem o desfile social no ginásio –determinando as escolhas dos outros nas roupas, mídia social e até mesmo cores das agendas– têm um fardo pesado para o qual não estão emocionalmente preparados. "Assim, eles gravitam na direção de garotos mais velhos."
E esses adolescentes mais velhos, que provavelmente já foram considerados bacanas, eram modelos dúbios a serem seguidos. "Na adolescência, quem está aberto a curtir com alguém três ou quatro anos mais novo? A molecada mais fora do padrão", fala Brown.
Allen descreveu uma biografia típica baseada no estudo. Aos 14 anos, o menino era popular. Conhecia muita gente, beijou mais de seis garotas, envolveu-se em pequenos problemas e se cercou de amigos de boa aparência.
Aos 22, o rapaz havia abandonado o ensino médio e tinha muitos problemas ligados à bebida, como faltar ao trabalho e prisões por dirigir bêbado. Ele estava desempregado e ainda disposto a cometer pequenos roubos e atos de vandalismo.
Entretanto, como Allen enfatizou, a pseudomaturidade sugere uma predileção, ela não é um instrumento de previsão estável. Uma adolescente do estudo teve inicialmente um perfil similar, com muitos namorados na primeira adolescência, amigas atraentes e uma queda por roubar lojas.
Contudo, aos 23 anos, segundo relato de Allen por e-mail, "ela havia se formado na faculdade, não tivera mais problemas com comportamento criminoso, usava álcool de forma responsável e tinha um emprego bom".
Mitchell J. Prinstein, professor de psicologia da Universidade da Carolina do Norte, campus de Chapel Hill, que estuda o desenvolvimento social de adolescentes, disse que, embora esses jovens desejem ser aceitos pelos colegas, estudos sugerem que os pais podem reforçar características que os ajudarão a suportar a pressão para serem legais demais, rápido demais.
"Os adolescentes também gostam de individualidade e confiança. Os que conseguem manter os próprios valores ainda podem ser considerados legais, mesmo sem fazer o que os outros estão fazendo", afirma Prinstein.

quinta-feira, 26 de junho de 2014

SOLIDÃO!

Professor no Brasil se sente sozinho, diz pesquisadora
6

Karina Yamamoto
Do UOL, em São Paulo
Compartilhe1973
 Imprimir Comunicar erro
"O professor no Brasil se sente sozinho, ele tem muito pouco apoio, se compararmos sua situação com a dos seus colegas na OCDE [Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico]", afirma pesquisadora brasileira Gabriela Moriconi.
"Ele não recebe a preparação adequada durante a faculdade [50% não tem didática para tudo o que ensina], não foi formado para lidar com os problemas práticos da sala de aula [40% diz não ter treinamento para a prática] e não tem o apoio suficiente [nos países ricos, há aconselhamento profissional e psicológico para os alunos, por exemplo]", completa Moriconi.
Pesquisadora da FCC (Fundação Carlos Chagas), Moriconi faz parte do time responsável pela nota sobre o Brasil na Talis, pesquisa da OCDE com 34 países e territórios para mapear as condições de trabalho dos professores. O levantamento foi divulgado na manhã desta quarta (25), em Paris.

Os resultados da pesquisa internacional chamam atenção também para a carga horária média desses profissionais - no Brasil, o docente trabalha cerca de 25 horas semanais nas aulas contra a média de 19 horas dos países que participaram do estudo.

"Na maioria dos países da OCDE, o professor trabalha em uma única escola, em tempo integral e leciona, em média, 19 horas na semana. Aqui no Brasil, o número de alunos com o qual o professor trabalha quase dobra se pensarmos que os docentes ensinam 25 horas e em salas com mais alunos. Fora a grande parcela que diz trabalhar como professor em tempo parcial, o que significa que ele pode ter um outro trabalho para o qual deve dedicar seu tempo", diz Moriconi.

E ela propõe um questionamento: "Diante dos dados [de gasto de tempo com planejamento de aula], ficam algumas perguntas: mesmo que ele queira, será que o professor brasileiro consegue preparar uma aula em que os alunos tenham tantas oportunidades de aprender quanto dos seus colegas em países da OCDE? Ele tende a ter mais turmas, já dá seis horas a mais de aula em média, mas gasta o mesmo tempo com planejamento".

Dedicação

Em sala, o professor usa 67% do seu tempo para dar aula -- em 20% do tempo está mantendo a disciplina e em 12% cuida de questões administrativas como distribuir material ou conferir a presença dos alunos. Para se ter uma ideia, na Finlândia, país considerado bom exemplo na educação, os docentes dão aula em 81% do tempo.
"No Brasil, via de regra, as redes contratam o professor para ser um dador de aula, o que pode ocorrer em diversas escolas, de modo fragmentado", diz Moriconi a respeito do nosso sistema com um currículo fragmentado e pouca valorização da carreira desse profissional.
"Em muitos outros países, o professor é contratado para ser um profissional daquela escola específica, que atua de diversas formas para que os alunos tenham a oportunidade de aprender: tanto na sala de aula, quanto sendo um tutor que acompanha a vida escolar de um grupo de alunos, ou sendo o mentor de outro professor menos experiente, seja assumindo a responsabilidade por alguma política da escola (como a política de comportamento dos alunos, por exemplo), etc. Por isso, a carga horária de aulas é menor e parte do tempo é utilizado para que o professor não só se prepare melhor para suas aulas, mas também desempenhem essas funções."

quarta-feira, 25 de junho de 2014

INDISCIPLINA!

Professor brasileiro gasta 20% do tempo de aula com indisciplina

Karina Yamamoto
Do UOL, em São Paulo
Compartilhe2092,0 mil
 Imprimir Comunicar erro
Os professores brasileiros gastam, em média, 20% do tempo de aula mantendo a disciplina na classe, segundo levantamento internacional. Ou seja, o docente gasta um em cada cinco minutos pedindo silêncio ou chamando a atenção por bagunça.
O desempenho brasileiro é o pior entre os 32 países que responderam à essa parte da pesquisa. A média entre os países é de 13%. Na Finlândia, país tido como exemplar no quesito educação, o percentual de tempo dedicado a essa atividade chega a 13%.
As informações são da edição 2013 da Talis, Pesquisa Internacional sobre Ensino e Aprendizagem coordenada mundialmente pela OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico). O levantamento foi divulgado na manhã desta quarta (25).
De aula mesmo, ensinando os alunos, o percentual de tempo gasto em sala no Brasil é 67% enquanto a média internacional é de 79% e a da Finlândia é 81%.
Em 12% do período de cada aula, o professor lida com questões administrativas, como o controle de presença (chamada) -- contra a média de 8% dos países que participaram da pesquisa e 6% da Finlândia.
 "Nos países da OCDE, o professor trabalha em uma única escola, em tempo integral e leciona, em média, 19 horas. Aqui no Brasil, a jornada quase dobra se pensarmos que os docentes trabalham 26 horas em mais de uma escola e em salas maiores", diz a pesquisadora Gabriela Moriconi.
Segundo o relatório, professores e alunos poderiam se beneficiar da redução do tempo gasto com tarefas administrativas e com manutenção do clima adequado para a aprendizagem.
O clima na sala de aula é uma das condições para a aprendizagem, segundo a pesquisa da OCDE. Os professores brasileiros, na média, trabalham mais horas (25 horas por semana) que a média dos docentes que participaram da pesquisa (19 horas por semana), conduzida com dados do segundo semestre de 2012.

O que é a Talis

Talis é a sigla para Pesquisa Internacional sobre Ensino e Aprendizagem (Teaching and Learning International Survey em inglês), coordenada pela OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico). No Brasil, a coordenação da pesquisa fica por conta do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira).
A edição de 2013 é a segunda desde a criação do estudo, em 2008. Seu objetivo é levantar as condições de trabalho dos professores e o ambiente de aprendizagem nas escolas para amparar decisões de políticas públicas no setor.
Participaram desta edição 34 países (24 países da OCDE e outros 10 países parceiros, como o Brasil). Cerca de 106 mil professores responderam à pesquisa. No Brasil, foram questionados 14.291 professores do fundamental 2 e 1057 diretores de 1070 escolas.