quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

VENHA APRENDER DE UMA VEZ POR TODAS!


domingo, 25 de outubro de 2015

PARABÉNS AOS LEITORES-SEGUIDORES DE O BLOG DE REDAÇÃO!


Tema mais do que esperado no Enem, a violência contra a mulher surgiu da necessidade de um debate mais profundo, num ano em que mais se atacou o sexo feminino, e até a nossa presidente foi parar em adesivos de carro, com as pernas abertas, para ser abastecida de gasolina pela genitália!

Tema trabalhado por nós em sala de aula, assim como o feminicídio: ato bárbaro, medievo, que também persiste entre nós, merecendo uma lei específica para tentar erradicá-lo (Lei 13.104/15, de 09 de março de 2015)

Sucesso, meus queridos!

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

PROVAS FALSAS DE REDAÇÃO DO ENEM 2015

Estão surgindo algumas provas de Redação do Enem de 2015 nas redes sociais, como se fossem a que vai acontecer no próximo domingo. O MEC tem divulgado nota quanto a isso, dizendo que são provas falsas.

Acreditamos que pelo fato de o próprio MEC-Inep fazer testes com a Prova do Enem em escolas do Brasil, além destas que fazem seus simulados, pode ter acontecido de um desses testes/simulados terem sido fotografados...

Aguardemos a verdade até domingo!



sábado, 17 de outubro de 2015

PRESSÃO: ENEM CHEGANDO!!!

16/10/2015 06h00 - Atualizado em 16/10/2015 06h00

Enem 2015: pressão dos pais pode atrapalhar resultado de estudantes

Veja o que os candidatos andam ouvindo dos pais nesta reta final.
Para psicóloga, pressão agora é como 'sal na comida', pouco ou muito é ruim.


A pressão dos pais pode ser um dos grandes vilões na reta final dos estudos em busca de uma vaga na universidade. O G1 visitou os cursinhos Maximize e Poli, em São Paulo, para saber o que os estudantes têm ouvido de seus pais às vésperas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).(veja o vídeo acima).

Tanto na opinião dos estudantes quanto na visão de especialistas as cobranças precisam ser dosadas. Cobranças em excesso, comparações e ameaças podem provocar o efeito contrário e prejudicar os estudantes. "Num mundo perverso e competitivo, não ter apoio e incentivo dentro de casa pode tornar o jovem mais inseguro do que gostaríamos", afirma a psicóloga Rita Calegari.

Frases de impacto: comparação
O estudante Bruno Benotti, de 18 anos, quer cursar design, e vai prestar Fuvest, além de fazer o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

“Há uma pressão direta, principalmente porque minha irmã passou (para farmácia na Unesp). Eu vim do ensino público e tive de aprender muitas coisas no cursinho”, diz. Ele afirma que sente privilegiado por estar “apenas” estudando. “Tem gente que trabalha e estuda, eu estou só estudando. Por outro lado, minha mãe já falou que ano que vem vai parar de me bancar.”
Na casa de Débora Aparecida, de 18 anos, também há comparações. “Há uma pressão psicológica, porque eu tenho uma prima já formada e meus pais ficam me comparando.” Débora diz que se incomoda, mas por outro lado, leva como incentivo. “É uma força a mais, quero mostrar que eu consigo.”
‘Não vou mais gastar dinheiro’
Estela Fonseca, de 18 anos, já foi avisada pela mãe que não poderá fazer cursinho por mais um ano. Ela sempre estudou na rede particular de ensino, por isso é cobrada para entrar em uma faculdade pública. “Ela já avisou que não vai gastar mais dinheiro comigo. Ela quer que eu seja algo na vida e fica perguntando toda hora se já estudei, se já li os livros da Fuvest.”

Ela já avisou que não vai gastar mais dinheiro comigo. Ela quer que eu seja algo na vida e fica perguntando toda hora se já estudei, se já li os livros da Fuvest."
Estela Fonseca,
estudante
'Ela não quer que eu perca tempo'
Ana Carolina Marcon, de 18 anos, é filha única e foi criada pela mãe. Ela quer estudar nutrição e sente o peso de ter seguir o exemplo da mãe. “Ela sempre estudou muito, trabalhou, me teve nova e se virou. Ela não quer que eu perca tempo, que eu fique gastando o dinheiro dela.”

Ana Carolina diz que a mãe fica no pé, “dá uns gritos”, mas acha que ela tem razão em cobrar. A exigência nem é por uma vaga em uma instituição pública, pode ser na rede privada, desde que ela trabalhe.
‘Não dá para ficar quatro anos no cursinho’
A cobrança dos pais de Kayanne Ambrosio, de 18 anos, não é tão grande para que ela passe no vestibular neste ano. A trégua é porque ela quer estudar medicina, e os pais sabem o quanto o curso é concorrido. No entanto, já foi avisada de que não poderá ficar quatro anos no cursinho.

“Como eles investem, querem retorno. Mas já me falaram: você não vai ficar quatro anos no cursinho. Minha mãe fica de segunda a segunda falando que eu tenho de estudar, ainda mais quando não me vê com os livros.”
Cursinho pago pelos avós
Quem paga o cursinho do estudante Gustavo Lopes, de 18 anos, são seus avós, por isso a cobrança dos pais para que ele entre na faculdade é ainda maior. "Eles dizem que eu tenho de estudar todo o tempo que tenho porque meus avós estão investindo em mim, eu fico meio nervoso."

Pais ignoram complexidade do desafio
Os pais de Daniel Kesley, de 18 anos, ficam repetindo que ele precisa passar no vestibular neste ano. O pai é caminhoneiro e a mãe atendente de telemarketing. Kesley quer cursar contabilidade, estudou na rede pública e entrou no cursinho neste ano para se preparar melhor.

Ele diz que se sente tranquilo em relação à cobrança dos pais porque consegue pagar o próprio cursinho e não precisa usar o dinheiro deles. Kesley trabalha em uma barraca de verduras na feira de fim de semana para pagar o estudo. "Meus pais não têm estudo e eles não têm ideia do que são as prova de vestibular, o Enem. Eu mesmo só descobri o que era o Enem, no ano passado."
Num mundo perverso e competitivo, não ter apoio e incentivo dentro de casa pode tornar o jovem mais inseguro do que gostaríamos."
Rita Calegari,
psicóloga
Falta de apoio gera insegurança
A psicóloga Rita Calegari diz que a pressão dos pais neste momento é como "sal na comida." "Se estiver na medida errada, para mais ou para menos, pode estragar o prato. Da mesma forma, pais que não manifestam nenhum tipo de cobrança ou pais que cobram demasiadamente, irão prejudicar os filhos."

Rita lembra que ameaças e comparações não costumam ajudar. "A menos que a comparação seja positiva, num tom amistoso: 'seu irmão não é melhor que você e conseguiu porque se esforçou, logo você também pode.'"
Para ela, a ameaça também pode surtir outro efeito, o de aparecer que "não amamos nossos filhos pelo que são e representam, mas pelo resultado que obtém." "Num mundo perverso e competitivo, não ter apoio e incentivo dentro de casa pode tornar o jovem mais inseguro do que gostaríamos."
O que os pais podem fazer nessa hora é oferecer apoio, segundo a psicóloga. "Entenda se ele estiver tenso e preocupado e diga-lhe que sempre há uma segunda ou terceira chance, que a vida dele não vai acabar se ele não passar no vestibular, que os pais continuarão amando-o mesmo que não consiga."(Fonte: Vanessa Fajardo Do G1, em São Paulo)

sexta-feira, 16 de outubro de 2015

TEMA POSSÍVEL PARA REDAÇÃO DO ENEM III - TRABALHO SOCIAL VOLUNTÁRIO

PROPOSTA DE REDAÇÃO

“O trabalho voluntário vem assumindo cada vez mais um expressivo papel na sociedade brasileira.

Há alguns anos, ao se pensar em ações voluntárias, automaticamente pensava-se em movimentos religiosos ou trabalhos na área da saúde. Sem dúvida essas contribuições eram e continuam sendo importantes, mas foi a partir da década de 90, quando surgiu o movimento Ação da Cidadania Contra a Miséria e pela Vida, liderado pelo sociólogo Herbert de Souza, o Betinho, que a consciência solidária da sociedade passou a ter visibilidade, traduzindo um esforço voluntário de amplos setores nacionais, sobre tudo os anônimos.

Mas afinal, o que é um voluntário?

o   É aquele que presta serviços não remunerados em benefício da comunidade.
o   Segundo a definição das Nações Unidas, “o voluntário é o jovem ou adulto que, devido a seu interesse pessoal e seu espírito cívico, dedica parte do seu tempo, sem remuneração alguma, a diversas formas de atividade, organizadas ou não, de bem-estar social, ou outros campos…”

Assim, ele realiza o trabalho gerado pelo impulso solidário, atendendo tanto às necessidades do próximo quanto às suas próprias motivações pessoais.” (Fonte: http://www.riovoluntario.org.br/ voluntarios/o-trabalho-voluntario/)

Filantropia:
1. Amor à humanidade. Oposto de misantropia. 2. Esforço na promoção do bem-estar de outras pessoas. 3. Qualquer ação dessa natureza.

Beneficência:
1. Inclinação para o bem. 2. Caridade.
(Fonte: Dicionário Houaiss)

“Altruísmo e solidariedade são valores morais socialmente constituídos vistos como virtude do indivíduo. Do ponto de vista religioso acredita-se que a prática do bem salva a alma; numa perspectiva social e política, pressupõe-se que a prática de tais valores zelará pela manutenção da ordem social e pelo progresso do homem. A caridade (forte herança cultural e religiosa), reforçada pelo ideal, as crenças, os sistemas de valores, e o compromisso com determinadas causas são componentes vitais do engajamento.” (Fonte: http://www.voluntarios.com.br/oque_e_voluntariado.htm)



A partir da leitura dos textos motivadores seguintes e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija um texto dissertativo-argumentativo, na modalidade escrita formal da Língua Portuguesa, sobre o tema “O trabalho social e voluntário na realidade brasileira”, apresentando proposta de intervenção que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

SUGESTÃO DE TEMAS PARA A REDAÇÃO DO ENEM 2015

TEMAS PARA O ENEM 2015 (REDAÇÃO):


II Guerra Mundial
Militarismo no Brasil
Processo de redemocratização do contexto brasileiro
Seca histórica no nordeste brasileiro
Crise hídrica no sudeste do Brasil
Processo de desertificação nacional
Democracia e participação cidadã
Conflitos entre liberdades / abusos
Crise ética e descrédito político
Minorias
Políticas públicas afirmativas
Violência doméstica
Feminicídio
Condição da mulher
Maioridade penal
Racismo (esporte / mídia)
Legalização da maconha

***Regulação da mídia***

VAMOS TREINAR! BOA SORTE!!!

domingo, 23 de agosto de 2015

TEMA POSSÍVEL PARA REDAÇÃO DO ENEM II - REGULAÇÃO DA MÍDIA

O Brasil precisa adotar a regulação da mídia?
A recente adoção de um órgão independente regulador da mídia por parte do Reino Unido, após os escândalos envolvendo jornalistas que usaram grampos telefônicos ilegais para ouvir conversas de políticos e celebridades, trouxe de volta ao Brasil a discussão da necessidade de regulação da mídia. Já existente em diversos países da América do Sul, nos Estados Unidos e na Europa (como França e Alemanha), a regulação é uma das bandeiras defendidas pelo Partido dos Trabalhadores (PT), que, após a reeleição da presidente Dilma Rouseff, já acena possibilidades de discussão sobre o assunto para apresentação de propostas. No entanto, grande parte da imprensa brasileira não é a favor da regulação, alegando que a mesma poderia se tornar uma estratégia governamental para barrar ou influenciar conteúdos.
PROPOSTA DE REDAÇÃO
Elabore sua redação dissertativa-argumentativa considerando as ideias a seguir:
Em entrevista ao SBT, Dilma reafirmou que não irá interferir na liberdade de expressão. Sobre a parte econômica, disse que o setor "tem que ter" regulações, mas não explicou quais. Questionada se irá fazer algum projeto nesse sentido, disse: "vamos discutir bastante antes de fazê-lo". [Folha de São Paulo/UOL]

(...) a rainha Elizabeth II sancionou nesta quarta-feira um sistema de regulação da mídia, que foi amplamente criticado por jornalistas locais. A iniciativa, apoiada pelos três principais partidos políticos britânicos, vem na esteira do escândalo de escutas telefônicas por jornalistas, e depois de os meios de comunicação verem seus esforços contra o controle rejeitados na Justiça. [ O Globo ]

A percepção contemporânea de que os meios de comunicação são instituições centrais para os regimes democráticos garantiu a esses meios, por parte dos Estados Nacionais, um conjunto de direitos especiais que têm sua mais importante expressão no direito à liberdade de imprensa. Por outro lado, esse mesmo reconhecimento e o fato de serem definidos como direitos especiais levaram os Estados Nacionais a estabelecerem um conjunto de regras que ressaltam os deveres da mídia em relação às nossas democracias. Trata-se da ideia de regulação da mídia. [Portal Andi ]


Com o objetivo de contribuir para o debate sobre o novo marco regulatório para as comunicações no Brasil, o Intervozes – Coletivo Brasil de Comunicação Social apresenta um levantamento sobre o funcionamento de órgãos reguladores que atuam sobre sobre a radiodifusão em 10 países. O estudo revela a tendência de os países adotarem órgãos independentes para regulação do setor, com ênfase nas questões de garantia de competição, gestão do espectro e de regulação de conteúdo. [Observatório da Imprensa ]

segunda-feira, 17 de agosto de 2015

TEMA POSSÍVEL PARA A REDAÇÃO DO ENEM 2015 - I

PROPOSTA DE REDAÇÃO - FEMINICÍDIO

Feminicídio significa a perseguição e morte intencional de pessoas do sexo feminino, classificado como um crime hediondo no Brasil. O feminicídio se configura quando é comprovada as causas do assassinato, devendo ser este exclusivamente por questões de gênero, ou seja, quando uma mulher é morta simplesmente por ser mulher. Alguns estudiosos do tema alegam que o termo feminicídio se originou a partir da expressão "generocídio", que significa o assassinato massivo de um determinado tipo de gênero sexual. De modo geral, o feminicídio pode ser considerado uma forma extrema de misoginia, ou seja, ódio e repulsa às mulheres ou contra tudo que seja ligado ao feminino. Agressões físicas e psicológicas, como abuso ou assédio sexual, estupro, escravidão sexual, tortura, mutilação genital, negação de alimentos e maternidade, espancamentos, entre outras formas de violência que gerem a morte da mulher, podem configurar o feminicídio. 

Como visto, o feminicídio pode ser classificado em três situações:
·                     Feminicídio íntimo: quando há uma relação de afeto ou de parentesco entre a vítima e o agressor;
·                     Feminicídio não íntimo: quando não há uma relação de afeto ou de parentesco entre a vítima e o agressor, mas o crime é caracterizado por haver violência ou abuso sexual; 
·                     Feminicídio por conexão: quando uma mulher, na tentativa de intervir, é morta por um homem que desejava assassinar outra mulher.

Feminicídio no Brasil
De acordo com dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), nos últimos anos pelo menos 50 mil mulheres foram mortas no Brasil, sendo os assassinatos enquadrados como feminicídio. O estudo ainda aponta que 15 mulheres são assassinadas por dia no país, devido a violência por gênero. 

Lei do feminicídio
​Para tentar impedir os crimes contra as pessoas do sexo feminino, a presidenta do Brasil, Dilma Rousseff, sancionou o Projeto de Lei nº 8.305/14, em 9 de março de 2015. 
A lei altera o código penal (art.121 do Decreto Lei nº 2.848/40), incluindo o feminicídio como uma modalidade de homicídio qualificado, entrando no rol dos crimes hediondos.
A justificativa para a necessidade de uma lei especifica para os crimes relacionados ao gênero feminino, está no fato de 40% dos assassinatos de mulheres nos últimos anos serem cometidos dentro da própria casa das vítimas, muitas vezes por companheiros ou ex-companheiros.  




A partir da leitura dos textos motivadores seguintes e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija um texto dissertativo-argumentativo na modalidade escrita formal da Língua Portuguesa sobre o tema “O feminicídio na realidade brasileira do século XXI”, apresentando proposta de intervenção que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.

quarta-feira, 15 de julho de 2015

REDAÇÃO AVALIA CAPACIDADE DE REFLEXÃO

Da Folha de S. Paulo
 Imprimir Comunicar erro
A prova de redação é considerada por muitos professores de cursinho a maneira mais eficiente de avaliação dos candidatos. As habilidades necessárias para apresentar um bom texto são, de fato, diversas. Capacidade de argumentação, uso da norma culta da língua portuguesa e adequação à estrutura exigida são apenas algumas delas.

Para a vice-diretora-executiva da Fuvest (Fundação Universitária para o Vestibular), Maria Thereza Fraga Rocco, não se exige um texto impecável do aluno, mas, sim, uma redação coerente e original. "Há graus de originalidade. Não se espera a originalidade de um escritor maduro. O fato de o candidato ter 18 anos não o impede de pensar e se expressar com suas próprias palavras, principalmente porque, no caso da Fuvest, já houve uma pré-seleção na primeira fase", diz Maria Thereza.

O professor de redação do cursinho da Poli, Marcelo Donatti, aposta na sólida capacidade de reflexão dos alunos como melhor forma de preparação: "Uma vida cultural intensa é muito importante". Para isso, o professor sugere leituras diversas e organiza sessões em que os estudantes assistem a clássicos do cinema.

Para o apresentador de TV e colunista da Folha Pasquale Cipro Neto, o aluno deve ficar atento também à decodificação de linguagens como letras de música, poesia, charge e tiras de jornal. "A imprensa é a grande referência, pois é muito difícil apresentar algo que não se reflita nela", afirma Pasquale Cipro Neto.

Filosofia
Vários professores de redação falam da importância das aulas de filosofia no ensino médio justamente para auxiliar nessa capacidade de reflexão. Para a professora do Intergraus Eliete Bindi, os alunos têm preguiça de pensar e, muitas vezes, nem mesmo consideram o interlocutor.

Apesar da importância no vestibular, parte dos alunos não se preocupa muito com a aula de redação. "Se for preciso, ele sacrifica a aula para não perder o fio da meada em outra disciplina", diz Odilon Soares Leme, professor de redação do Anglo. Para o professor, a redação não é uma área do conhecimento com limites bem definidos: "Na verdade, é uma grande habilidade, cuja percepção de melhora por parte do aluno não é tão clara".

Da Folha de S. Paulo

segunda-feira, 15 de junho de 2015

TEXTO SUPERFICIAL!

Reflexão superficial compromete texto

Thaís Nicoleti de Camargo*

Especial para a Folha de S. Paulo

 Imprimir Comunicar erro
A dissertação é um texto reflexivo, cuja estrutura se presta por natureza à expressão da opinião. Mas nem por isso o candidato deve posicionar-se de modo pessoal. Ao contrário disso, a impessoalidade é apreciada, pois o encadeamento lógico das idéias é que deve conduzir o leitor à conclusão pretendida. Assim, melhor seria omitir a expressão "creio que".

Na introdução, constatou-se que todos sofremos influência dos que nos cercam, o que está implícito no tema dado. Perdeu-se a oportunidade de mostrar um ponto de vista crítico que conduzisse o raciocínio.
O uso de palavras como "começando" e "terminando" denuncia certa dificuldade de estabelecer a coesão entre as partes do texto.

A desvalorização dos professores na sociedade é uma realidade, mas é perigoso afirmar que "são incapazes de nos transmitir muitos conhecimentos". As generalizações fragilizam a argumentação.
A expressão "mal treinados" poderia ser substituída por "mal preparados", já que a atividade de um professor pressupõe formação, e não mero treinamento para uma função.

A influência dos pais não foi analisada. Que valores transmitiram aos jovens de hoje? Considerar os políticos "antimodelos" faz pressupor a existência de um modelo. É temerário o raciocínio de que se pode aprender o certo através do errado -no limite, uma contradição. Faltou assumir uma posição diante do problema.

Thaís Nicoleti de Camargo*

Especial para a Folha de S. Paulo

segunda-feira, 18 de maio de 2015

ALUNO SEM TERCEIRO ANO? NÃO USA ENEM...

18/05/2015 20h29 - Atualizado em 18/05/2015 20h50

Aluno que ainda não faz o 3º ano não poderá usar Enem como vestibular

Edital do Enem 2015 incluiu nova regra sobre o acesso ao ensino superior.
Alunos menores de 18 anos recorrem à Justiça para garantir vaga.

Do G1, em São Paulo
Candidatos da 2015 do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) menores de idade, e que ainda não fizeram nem fazem o terceiro ano do ensino médio, estão proibidos de usar a nota do Enem para acessar o ensino superior sem passar pelo terceiro ano regular. Uma nova regra no edital divulgado nesta segunda-feira (18) explica que "o participante menor de 18 anos no primeiro dia de realização do Exame e que concluirá o ensino médio após 2015 não poderá utilizar os seus resultados individuais no Enem" em dois casos previstos no edital para maiores de idade: usar o Enem para pegar a certificação de conclusão do ensino médio e usar o Enem como mecanismo de acesso à educação superior em processos de seleção.
O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) também incluiu, no edital, a possibilidade de "convidar" os participantes menores de 18 anos e que ainda não chegaram ao último ano do ensino médio "para aplicação do Enem Digital", ideia já defendida no início do ano pelo ex-ministro da Educação, Cid Gomes, e que o atual ministro, Renato Janine Ribeiro, já afirmou que continua em fase de estudos.
A regra cita dois artigos da Lei de Diretrizes e Bases da educação (LDB), publicada em 1996. O primeiro artigo (38º) diz que os exames supletivos "no nível de conclusão do ensino médio" é destinado "para os maiores de 18 anos".
O segundo (44º) afirma que a educação superior em cursos de graduação são abertos a candidatos "que tenham concluído o ensino médio ou equivalente e tenham sido classificados em processo seletivo".
Segundo o edital, então, um estudante menor de 18 anos, que não vá concluir o terceiro ano do ensino médio em 2015 não poderá se matricular em um curso de graduação, mesmo que seja aprovado, por causa de sua nota do Enem, em um vestibular ou processo seletivo, como o Sistema de Seleção Unificada (Sisu).
Justiça é alternativa
Atualmente, estudantes já têm dificuldades para se matricular em situações como essas. Nesse caso, muitas vezes a decisão vai parar na Justiça. Foi o caso do estudante José Victor Menezes Teles, de Itabaiana (SE). Ele fez o Enem 2014 aos 14 anos, quando ainda estava no primeiro ano do ensino médio, e conseguiu uma nota suficiente para conquistar uma vaga no curso de medicina na Universidade Federal de Sergipe (UFS) pelo Sisu.

Como pelo Enem o candidato só pode receber a certificação do ensino médio se tiver mais de 18 anos e estiver fora do ensino médio regular, sem tê-lo concluído, há pelo menos dois anos, José Victor não pode usar a mesma nota para conseguir o diploma. Porém, as secretarias estaduais de Educação também têm autoridade para conceder o diploma do ensino médio por meio de exames supletivos.
Então, a família do adolescente entrou na Justiça, e o juiz autorizou o garoto a fazer a prova. Com o diploma nas mãos, ele conseguiu fazer a matrícula na UFS e hoje é o calouro mais novo da turma.
José Victor posa com aprovados em medicina na Universidade Federal de Sergipe (Foto: Reprodução/TV Sergipe)José Victor posa com aprovados em medicina na UFS (Foto: Reprodução/TV Sergipe)
Mudanças no Enem
Nesta edição, o Enem sofreu diversas modificações, principalmente em relação ao valor da taxa de inscrição, e a medidas de segurança que alteraram o horário das provas.

Veja abaixo os destaques:

DATA DAS INSCRIÇÕES
As inscrições ocorrem entre as 10h de 25 de maio e as 23h59 de 5 de junho. Para quem não conseguir isenção, a inscrição só será "confirmada" após o pagamento da taxa de R$ 63 até as 21h59 do dia 10 de junho.

TAXA DE INSCRIÇÃO
Sofreu aumento pela primeira vez em mais de dez anos. Até 2014, o valor era R$ 35. Agora, passa a ser de R$ 63.

ISENTOS DE TAXA
Estudantes da rede pública no último ano do ensino médio estão automaticamente isentos. Além deles, podem obter isenção candidatos que comprovarem carência, segundo as regras do edital.

Segundo o edital, a solicitação de isenção do pagamento da taxa de inscrição somente poderá ser realizada no sistema de inscrição por meio da declaração de carência socioeconômica e durante o período de inscrição.
Os demais candidatos, mesmo que tenham feito ou estejam fazendo o ensino médio integralmente na rede pública, precisarão pagar a taxa. Segundo o ministro, cerca de 30% das provas impressas acabam sem uso por causa das abstenções. Para tentar diminuir as faltas, o MEC afirmou que estudantes liberados do pagamento que não forem aos dois dias de provas vão perder o direito o benefício na próxima edição.
DURAÇÃO DAS PROVAS
No primeiro dia, ciências humanas e ciências da natureza terão 4 horas e meia de duração. No segundo dia, linguagens, matemática e redação terão 5 horas e meia de duração.

HORÁRIOS DAS PROVAS
Portões serão fechados às 13h (horário oficial de Brasília). Mas, dessa vez, as provas só começam 30 minutos depois do fechamento dos portões, ou seja, às 13h30, no horário de Brasília.

SABATISTAS
Os sabatistas no Acre, Amazonas, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rondônia e Roraima poderão fazer as provas do sábado às 19h do horário local. Nos demais estados, a prova do primeiro dia para os sabatistas começa às 19h do horário de Brasília.

ATENDIMENTO ESPECIALIZADO E ESPECÍFICO
Além das necessidades especiais e atendimentos específicos já contemplados nas edições anteriores (como estudantes cegos ou com baixa visão, surdos, com deficiência física, gestantes e lactantes), o Enem também terá atendimento especializado para quem tem visão monocular e discalculia.

CANDIDATOS E CANDIDATAS TRANS
Pela segunda vez consecutiva, o MEC aceitará que os estudantes travestis e transexuais usem o nome social durante a prova. Para isso, o estudante precisa enviar a cópia do documento de identidade e preencher um formulário específico, incluindo uma foto recente, no sistema de inscrição. O prazo para o envio desses dados acontece entre 15 e 26 de junho.

CARTÃO DE INSCRIÇÃO
Deixará de ser impresso pelo MEC e enviado pelos Correios. Agora, terá que ser baixado ou consultado diretamente no site do Enem, opção que já existia no passado. O documento serve para orientação e não precisa ser apresentado no exame.

MEDIDAS DE SEGURANÇA
Não será possível usar o mesmo e-mail para fazer mais de uma inscrição. Além disso, todos os candidatos deverão informar número de telefone (celular ou fixo) válido. Eles também terão que criar uma pergunta e resposta de segurança no login.

O detector de metal será novamente aplicado nos locais de prova. Nos dias de realização do Exame, segundo o edital, "o participante poderá ser submetido à revista eletrônica nos locais de provas, a qualquer momento, por meio do uso de detector de metais".

TOTAL DE PARTICIPANTES
Estimativa de mais de 9 milhões de inscritos. No ano passado foram 8,7 milhões, dos quais 6,2 milhões de fato compareceram. O MEC estima que neste ano 850 mil pessoas trabalhem na aplicação da prova, envolvendo quem atua nos locais de prova e quem distribui as provas: Exército, Marinha, Aeronáutica e os funcionários dos Correios.

Nossa meta principal é fazer o Enem, não fazer economia. Mas, se for possível, vamos fazer economia."
Janine Ribeiro,
ministro da Educação
Mudanças e economia
O MEC busca economia de até 20% no custo do Enem 2015. O valor alcançado pode ser de ao menos R$ 90 milhões com o aumento da taxa de inscrições, medidas contra faltas e mudança no envio do cartão de inscrição.

"Nossa meta principal é fazer o Enem, não fazer economia. Mas, se for possível, vamos fazer economia", disse Ribeiro. A estimativa é que o custo médio da aplicação da prova por estudante seja de R$ 52.

O ministro justificou o reajuste da taxa após 10 anos. "Tudo subiu na sociedade e esse valor está o mesmo desde muito tempo", disse Ribeiro. Ele afirmou que o reajuste considerou a variação inflacionária no período.

Haverá economia também com o envio dos cartões. De acordo com o ministro, serão poupados R$ 20 milhões apenas com o envio virtual da confirmação, segundo Ribeiro. O presidente do Inep, Francisco Soares, esclareceu que o cartão de inscrição terá que ser baixado pelo estudante no site do Enem. O documento serve para consulta e não precisa ser apresentado no local do exame.
Punição para faltas no Enem
Outra medida que trará redução de custos será o corte da isenção para alunos que forem liberados da taxa e faltarem ao exame deste ano. Quem faltar em 2015 terá obrigatoriamente que pagar a inscrição em 2016.

"Uma pessoa não pode ter isenção graças a recursos que a sociedade está pagando, e jogar isso fora. Há uma responsabilidade moral que é preciso assumir. E no escopo educacional, a ética é fundamental. Educação é também ter responsabilidade com os próprios atos", disse Janine Ribeiro.

Sessenta e cinco por cento dos faltosos do Enem de 2014 eram alunos isentos, segundo o secretário executivo do MEC, Luiz Claudio Costa.
A estimativa é que quase R$ 60 milhões serão poupados com o pagamento de inscrições por alunos que antes estavam insentos.
Justificativa das faltas
Sobre os estudantes isentos que não compareceram à prova, Luiz Cláudio afirmou que o MEC ainda vai definir as regras para justificar a ausência.

"Não posso dar resposta agora. No exemplo do atraso no transporte coletivo, como provar isso? A pessoa pode ser penalizada, mas precisamos ter certeza disso para não virar a justificativa padrão, como aquelas pessoas que ficam doentes e não têm atestado."