terça-feira, 13 de dezembro de 2011

COMO ELABORAR UMA REDAÇÃO NOTA DEZ



Você já ouviu aquela história de que um vestibulando da Fuvest tirou 10 numa redação cujo tema era "O Lápis e a Borracha" apenas escrevendo a frase "O que o lápis escreve a borracha apaga"? Se ouviu, pode esquecer o mau exemplo, porque tentar "dar uma de esperto" não vai te ajudar a escrever bem no vestibular.

"Há o mito de que existe uma receita pronta para se fazer uma boa redação. Coisas como 'não usar verbo no título' ou 'não escrever usando letras de forma', por exemplo. Nenhuma dessas informações tem a menor relevância", esclarece o professor de redação Eduardo Antônio Lopes, autor do material didático do Curso Anglo e do Sistema Anglo de Ensino.

Portanto, não desperdice sua energia tentando guardar fórmulas mágicas e modelos de redação. O ideal para se dar bem no vestibular é praticar bastante. O professor Lopes conta que costuma comparar aprender a escrever bem com tocar um instrumento musical: "você não imagina que alguém vai aprender a tocar violão sem nunca praticar o instrumento. Com a redação acontece a mesma coisa, é preciso ensaiar sempre".

Isso não significa que você deve escrever um texto burocrático e sem graça na sua redação do vestibular. "As bancas valorizam textos com marca autoral, que mostram que o estudante é um participante crítico da realidade. Escrever algo sem nenhum 'sabor' não é bem visto", afirma Lopes.

Ou seja, o ideal é não pensar em criatividade no sentido de ter uma sacada sensacional que salve a sua redação mal feita no vestibular - como a história do lápis e da borracha tenta convencer - mas sim pensar em ter senso crítico apurado e ser original nos seus argumentos. O professor do Cursinho da Poli Gesu Wanderlei Costa também confirma a exigência de originalidade: "os textos mais bem avaliados são de alunos ousados, críticos, que não acreditaram em regrinhas ou fórmulas de fazer redação".

Ficou com medo de errar a medida? Veja alguns conselhos para quem quer se dar bem na redação.

Na hora de estudar: Costa afirma que os vestibulandos deveriam fazer da prática da redação um "sacerdócio". Ele próprio escreve duas crônicas e um conto semanalmente, só para não perder a prática. "Para escrever bem, o aluno tem que mudar de comportamento, e se preocupar em se tornar um escritor independentemente do vestibular", afirma.

Para ajudar seus alunos a se familiarizar com esse universo, ele costuma aplicar exercícios de "desbloqueio" bem no começo do curso - nesses exercícios os alunos são estimulados a escrever todas as suas idéias sobre um determinado assunto num papel, aleatoriamente, só para "perder o medo" da escrita.

A partir daí, ele conta que há três níveis de aperfeiçoamento na redação. Em primeiro lugar, é preciso aprender as normas gramaticais - ou seja, dominar regras de acentuação gráfica, ortografia, pontuação e se sentir confortável para escrever na norma culta, garantindo assim a clareza do texto.

Num segundo momento, o aluno deve se preocupar com a coesão textual, o que significa cuidar para demonstrar o encadeamento lógico e a precisão das suas idéias, construindo um texto dotado de começo, meio e fim.

E depois de ter superado esses dois níveis de aprendizado da escrita, ele deve começar a praticar a sua argumentação, tendo em mente que precisa convencer o leitor da consistência crítica dos seus argumentos.

Como saber se você está conseguindo superar esses três estágios do aprendizado? "É essencial ter alguém pra corrigir o seu texto", afirma Costa. "Costumo dizer para os meus alunos que às vezes ter alguém para ler o texto chega a ser mais importante do que vir à aula. Quem não faz cursinho pode pedir para o professor do colégio ou até para um amigo corrigir os seus textos de vez em quando." Ele recomenda que os alunos comparem suas redações com os melhores textos de vestibulares passados, como os da Fuvest (Fundação Universitária para o Vestibular), que organiza o processo seletivo da USP (Universidade de São Paulo.

E para quem está tentando adivinhar sobre que assunto vai ter que escrever na redação do vestibular, mais um conselho: "ficar preocupado com qual vai ser o tema da prova durante esse treinamento é bobagem", afirma Costa. Ele explica que, ao ler jornais, revistas e livros durante o preparo para a prova, é importante tentar captar o posicionamento do autor em relação ao tema, e que interesses podem estar envolvidos na sua escrita.

Ele lembra que, depois de 1998 - em que a FUVEST pediu para os estudantes analisarem cinco trechos de pensamentos filosóficos refinados, numa das provas de redação mais difíceis da história dos vestibulares - os exames têm preferido abordar temas relacionados ao cotidiano social dos adolescentes. Ou seja, é muito remota a possibilidade de você ter que escrever a sua redação sobre um tema do qual nunca ouviu falar.

Na hora da prova: As dicas para fazer uma boa prova são do professor do Anglo Eduardo Lopes. Ele acredita que o vestibulando deve ler a proposta atentamente e, ainda antes de iniciar o texto, planejar o objetivo da sua argumentação. "Vai ficar muito difícil encadear os parágrafos e selecionar os argumentos sem ter certeza de onde se quer chegar", explica.

Depois disso, o estudante deve utilizar esse direcionamento para reler a coletânea de textos (fragmentos dados na proposta), com a intenção de não apenas alcançar um bom resultado, e sim de escrever algo que atenda às expectativas da banca examinadora da prova. "A coletânea é como uma pesquisa que a banca faz para o vestibulando, com a finalidade de diminuir a artificialidade dessa situação, em que alguém escreve sem ter a possibilidade de pesquisar sobre o assunto", afirma Lopes.

Outro recado importante na hora de escolher os argumentos que vão sustentar a redação: cuidado para não emitir opiniões preconceituosas e infundadas, problemas que aparecem nos textos de vestibular com mais freqüência do que você pode imaginar. "A banca espera que o aluno demonstre apreço pela cidadania e pelos valores democráticos. Qualquer posicionamento é válido, desde que respeite os direitos humanos universais, os direitos do indivíduo e os interesses da maioria", finaliza Lopes.

Com um bom preparo e muito treino, com certeza você não vai precisar de sorte para se dar bem na redação do vestibular!

(Site Universia)

6 comentários:

  1. agora eu sei como produzir uma boa redaçao sem nervosismo.obrigado Adriano!

    ResponderExcluir
  2. Muito obrigado! Ótima explicação.

    ResponderExcluir
  3. Nada de inovador...repetições, de nada valeu, superficial

    ResponderExcluir
  4. amei o seu blog esclareceu minhas duvidas

    ResponderExcluir
  5. Adorei seu blog.. muito bom.. me ajudou bastante

    ResponderExcluir
  6. explicação relevante

    ResponderExcluir